CARPLACE

Polícia da Colômbia exibe Ferrari confiscada do tráfico e transformada em viatura

A Polícia da Colômbia deu um destino muito nobre para uma Ferrari confiscada de traficantes: foi transformada em viatura. O carro foi mostrado na Direção da Polícia Judiciária de Bogotá, depois de passar dois meses aguardando a autorização para uso, e acabou se tornando um “símbolo da derrota do crime diante das autoridades.”

Agora, o esportivo de luxo com 3,5L de 300 cv de potência usa as cores verde e branco da polícia colombiana, após pertencer à frota de carros esportivos do traficante Luis Hernando Gomez Bustamante conhecido por “Rasguño”.

O modelo 1991 original com pintura preta, com 800 km e avaliado em 250.000 dólares, foi apreendido em 2008, ano em que ocorreu a extradição de “Rasguño” para os Estados Unidos.

A decisão de transformar o carro de luxo foi tomada após tentativas frustradas de leilão, pois não havia compradores.

Esta não é a primeira vez que um veículo top de linha é colocado a serviço da polícia colombiana. Em 2008, um Hummer, confiscado por não atender aos requisitos de importação, também foi transformado em carro de patrulha.

Crédito da Foto: Reuters

Publicidade

24 comentários

  1. Pericles Augusto

    12 de novembro de 2011 at 15:14

    país de primeiro mundo e assim

    • Bruno

      8 de dezembro de 2011 at 11:05

      Colombia é TERCEIRO MUNDO, mas lá pelo menos fizeram o certo!!!

  2. Filipe Augustus

    12 de novembro de 2011 at 15:17

    Lamentável, estragar um clássico, isso é opinião minha.

    • uncle Sam

      12 de novembro de 2011 at 15:22

      Porra, ficou show! E é melhor do que ficar apodrecendo nos pátios dos órgão de transito, como acontece no Brasil. Imagine quantas Ferrari, Porsche , Mercedes etc tem por aí há anos embaixo do pó e ninguém pode mexer. Deram um fim digno á essa machina, é só não por no patente com qualquer peão no volante.

    • Paulo_Freire

      12 de novembro de 2011 at 18:17

      Melhor que deixar apodrecer nos depósitos.

    • @marcelosardela

      12 de novembro de 2011 at 22:06

      Melhor do que na mão de bandido. Ao menos servirá a sociedade, dando retorno ao que foi roubado, ou influenciado pelo crime.

  3. marck757

    12 de novembro de 2011 at 15:19

    KKkkkk! Gostei… gostei.

  4. FabioRuimDeRoda

    12 de novembro de 2011 at 15:30

    Aposto que vão destruir na primeira perseguição.

  5. Kokokil

    12 de novembro de 2011 at 15:39

    Espero que seja usada como símbolo contra o crime, e não participando de operações arriscadas.

  6. gabryelpinho

    12 de novembro de 2011 at 16:25

    imagina uma perseguição, demais

  7. gabryelpinho

    12 de novembro de 2011 at 16:31

    imagina uma perseguição, demais, essa ideia parece com a dos italianos
    [youtube Sws3OE0c23I&feature=fvst http://www.youtube.com/watch?v=Sws3OE0c23I&feature=fvst youtube]

  8. Wellington_L

    12 de novembro de 2011 at 16:55

    Por que será que não houve compradores para o Testarossa? Medo? Superstição? Outro motivo?… Há algum colega colombiano ou um não que vive/viveu nesse país e que possa nos dar uma luz para esclarecer tal fato?

    • Paulo_Freire

      12 de novembro de 2011 at 18:17

      Talvez por medo de retaliação por parte do crime organizado…?

    • lucca

      12 de novembro de 2011 at 20:10

      Só parar corrigir, essa é uma 348, não uma Testarossa.

      • Wellington_L

        13 de novembro de 2011 at 5:58

        É verdade…, esses modelos são tão parecidos que sempre os confundo – a imagem também não favoreceu muito a visualização.

        Obrigado pela correção…

    • FabioRuimDeRoda

      12 de novembro de 2011 at 21:46

      Estigma meu véio.

      Aqui já aconteceu isso quando prenderem aquele bandido internacional. Leiloaram tudo, mas o pessoal ficou meio desconfiado de usar as "coisas" de um bandido. Vai que os amigos dele náo gostam…

  9. marcelofalves

    12 de novembro de 2011 at 17:40

    imagine uma na policia do Brasil heuheuheu, primeira perseguição ia pro ferro velho

  10. Caio Cartaxo

    12 de novembro de 2011 at 17:47

    como puderam destruir essa linda Ferrari 348, era mais facil ter sido leiloada. '–'

    • Paulo_Freire

      12 de novembro de 2011 at 18:18

      Se vc ñ leu, tentaram leiloar mas ninguem quis.

  11. @lucasv_vargas

    13 de novembro de 2011 at 18:23

    ta certo, tem tanto carro bom que é apreendido e fica mofando em depósito, se mais países fizessem isso tinha muito mais viaturas nas ruas.

  12. Vinícius

    13 de novembro de 2011 at 19:00

    Bacana. Poderiam fazer isso aqui no Brasil.

  13. Matheus_P

    15 de novembro de 2011 at 16:06

    Sinal real de seriedade das autoridades… Apesar de a,manutenção ser cara…
    Agora, a Ferrari soh tinha 800km? Um carro datado de 1991????

    • Marcelo

      16 de novembro de 2011 at 10:02

      Quem compra Ferrari não a usa no dia a dia. Vi na Itália uma F40 (lá na europa, lembre-se) com quase 25 anos e menos de 2000km.

      Aqui em Brasília tinha um cara que tinha uma Ferrari e a vendeu, pois, depois de dois anos, se cansou de usá-la apenas nos sábados à tarde, de PRIMEIRA MARCHA (pois superava o limite de velocidade de quaisquer vias nela!) para fazer uma voltinha idiota de 10km. Perdeu "apenas" uns 400 mil reais, mas deu umas 20 voltas de 10km em primeira marcha.

      Domingo vi uma Maserati rodando num bairro nobre: o "coitado" ficava indo e vindo na avenida, sempre de primeira (talvez tenha engatado a segunda para ver se funcionava). Após três voltas, tava o cara parado no posto de gasolina, com uma cara de frustrado.

      Imagine ter um brinquedão desses e não ter NENHUMA ESTRADA onde usá-lo! É como comprar um barco para levar para uma região de montanha. Ou como comprar equipamento de rappel para usar no mar. Totalmente sem uso. O cara paga oito vezes mais caro que na Europa e não tem como usar.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>