CARPLACE

Honda Civic deve ganhar motores com injeção direta em 2015

02-2013-honda-civic-review

Com a Toyota se preparando para o lançamento do novo Corolla, a rival japonesa Honda se mexe e trabalha para aplicar melhorias técnicas no Civic para a linha 2015.

De acordo com o executivo Tetsuo Iwamura, o Honda Civic vai receber a nova tecnologia “Earth Dreams”, já disponível no Accord, que possui injeção direta de combustível, entre outros avanços, e uma nova geração de transmissões do tipo CVT. Lembrando que o rival Toyota Corolla pode receber uma nova opção híbrida como parte do mesmo programa.

07-earth-dreams-diesel-engine

Embora o fabricante não revele quando o novo “Dream” Civic chegará, uma reportagem do site Automotive News afirma que o lançamento deve ocorrer já em 2015.

Publicidade

107 comentários

  1. PerobaC

    25 de junho de 2013 at 12:06

    Era o que a Honda precisava.
    Assim como a Toyota também colocará em breve seus motores com injeção direta.
    Esses novos motores que vão do conhecido 1.4 ao 2.4 com tecnologia i-DTEC já existe desde 2011 e somente foi divulgado ano passado.
    O problema é que no Brasil só vai chegar em 2016 em diante.
    Se o Focus III com Injeção Direta vingar bem (mas muito bem mesmo) quem sabe não teremos estes motores um pouco antes …

    • Edson

      25 de junho de 2013 at 12:27

      Você não está falando do Focus III do Brasil, está? Pois o que vem para o Brasil não tem injeção direta.

      • PerobaC

        25 de junho de 2013 at 13:08

        Não, mas seria uma ótima idéia.
        Já esperava que não viesse porque GDI não funciona direito com nossa qualidade de combustível.
        GDI aqui no Brasil só irá dar dor-de-cabeça se for apenas adaptado. Funcionaria bem se fosse projetado ou devidamente adequado.
        A VW não conseguiu adequar o TFSI de 211 cv e 35,7 kgf.m de torque para o Jetta por causa desse fator.
        Talvez em 2014 esse sistema passe a ser favorável para trabalhar no país …

        • Pil

          25 de junho de 2013 at 15:35

          O Jetta que está nos concessionários VW do Brasil já está com 211 cv.

          • PerobaC

            25 de junho de 2013 at 23:37

            Mas esse deve ter seus 28,5 a 29,0 kgf.m de torque.
            O Jetta TFSI de 211 cv tem a injeção direta da 2a geração (estratificada). Ganha-se em potência, mas principalmente em autonomia e torque brutal …

        • DougSampaNA

          26 de junho de 2013 at 20:01

          Então, todos, inclusive o meio ambiente, temos muito a agradecer a nossa Petrobrás, que faz gasolina de 3a qualidade pra vender aqui, e de 2a qualidade pra vender para a tchurma do Mercosul, de 1a ela ainda não aprendeu a fazer…ou se aprendeu, ela é inviável ao pobre mortal no uso diário.

          • PerobaC

            26 de junho de 2013 at 20:43

            Bom, resumindo o nosso contexto, se há algo errado o autor dessa responsabilidade somos nós.
            Se a Petrobras não tivesse tanta interferência do governo, seria a maior empresa de Petroleo, Gas Natural e Bio-Combustível do mundo.
            A responsabilidade daqueles que estão no poder é do povo brasileiro.
            Desde que o PT assumiu, a empresa vai de mal a pior …

          • RAC

            30 de junho de 2013 at 0:35

            Caro Doug, se estudar um pouco aprenderá que os requisitos de qualidade do combustível são determinados pelo governo de cada país, e não pelas empresas, no caso do Brasil a Petrobras. A Petrobras tem tecnologia de ponta tanto na extração de petróleo como no refino. Os requisitos de qualidade do combustível não é ela que determina.

          • Brasil

            19 de julho de 2013 at 11:43

            BRASIL FEDE

      • Pil

        25 de junho de 2013 at 15:33

        O Focus III 2,0 flex que chega agora em setembro terá injeção direta, será o primeiro flex com injeção direta no Brasil. Esse motor 2,0 do Focus III já é flex fuel nos EUA, inclusive lá a sua taxa de compressão é de 12:1, portanto é a Ford criando mais uma marca no Brasil.

        • PerobaC

          25 de junho de 2013 at 16:20

          O Etanol E85 nos EUA é um pouco diferente do nosso porque é anidro e tem 15% de gasolina em sua composição. A gasolina é quase pura. Só não é por causa dos aditivos.
          Acredito também que será melhor adequado que o atual sistema aliado ao Duratec.
          Tenho confiança de que a Ford acertará neste motor, já que é um dos itens que ficou devendo na geração passada do Focus que não veio para cá …

        • Edson

          25 de junho de 2013 at 16:33

          Olha o Pil novamente… Não terá injeção direta. A única modificação que fizeram no Duratec foi finalmente colocar o Duplo Comando de Válvulas Variável.

        • jao_simonetti

          25 de junho de 2013 at 16:51

          O Focus não virá com o motor de injeção direta. O primo da minha esposa é engenheiro eletricista na Ford de Taubaté e já finalizaram a adaptação do Duratec 2.0 apenas com comando duplo de geometria variável (VVT), o que renderá cerca de 169cv quando abastecido com etanol.

          Mais do que suficiente.

          Será o melhor desempenho da categoria.

          • PerobaC

            25 de junho de 2013 at 23:40

            Boa cavalaria.
            Mas não nos esqueçamos que os atuais motores 2.0 podem passar de seus 180 cvs com facilidade, sejam estes Toyota, Honda, Renault, Peugeot.
            Porém, com sacrifício da autonomia.
            Vide o exemplo do atual Elantra 2.0 que possui 178 cvs …

          • jao_simonetti

            26 de junho de 2013 at 0:47

            Elantra, Ix35 e Sportage. Dos 3, o Sportage tem o melhor acerto consumo x potência.

    • V8_sempre

      25 de junho de 2013 at 14:08

      Só lembrando que a injeção direta… Ainda rara no Brasil… Mas está presente !

      Favorece desempenho e consumo em ALTA rotação ! Em baixa rotação… A injeção indireta é melhor !
      Mesmo caso dos motores 8V e 16V !

      O ideal é ter os 2 sistemas, como já existem em alguns motores !

      Outra teórica desvantagem… O combustível não passa pelas válvulas… O que em nosso mercado, tornaria a gasolina aditivada pouco significante e a carbonização nas válvulas de admissão (Talvez o maior problema dos motores nacionais) pode ser potencializada !

      • PerobaC

        25 de junho de 2013 at 14:18

        Ouço muitos comentários positivos de injeção direta aliada com CVVT.
        Fico imaginando como seria se fosse um D-CVVT ou o i-VTEC com o VTC.
        O desempenho se elevaria muito …

        • V8_sempre

          25 de junho de 2013 at 14:29

          Há muitas variáveis ! Já viu a potência que um motor 1000 de moto alcança, sem nenhuma dessas frescuras? Experimente colocar ele num carro… E verá que ele não sai nem do lugar !

          Alias… Todo mundo falava a mesma coisa dos motores 16V ! E até hoje, muitos donos reclamam da falta de força do próprio CIVIC em baixa rotação, por exemplo! Mesmo com VVT !

          • PerobaC

            25 de junho de 2013 at 14:38

            Hehehe …
            Eu tenho um Corolla 2.0 D-VVTi e um Civic 2012 1.8 5 AT.
            Logicamente que o Civic 2012 é mais lento que o Corolla 2.0.
            Porém, não verifiquei essa morosidade no Civic 1.8 6MT. A relação ficou mais curta e, assim, explora bem a curva de torque.
            Outro detalhe é que o Civic 2012 ou 2013 possui uma curva de torque mais plana e ajuda bastante.
            Sempre ouvi a reclamação dessa falta de torque nas rotações iniciais e só há um despertar após 3.000 rpm.
            O Corolla 1.8 D-VVTi tb melhorou bastante essa falta de potência em baixas rotações, principalmente por causa do novo sistema, porque o motor é o mesmo.
            De qualquer forma, acho que não esperarei pelo Corolla com injeção direta e nem pelo Civic.
            Estou de olho no Golf GTI ou no Jetta TSI hehehehe

          • V8_sempre

            25 de junho de 2013 at 16:12

            "Sempre ouvi a reclamação dessa falta de torque nas rotações iniciais e só há um despertar após 3.000 rpm. "

            Pois é… Eu tbém ! heheh

          • PerobaC

            25 de junho de 2013 at 16:30

            V8, mas estou louco para fazer uma brincadeira.
            Depois que li essa matéria da Honda na AutoExpress, deixou com mais vontade de esperar.
            Fui visitar um Civic LXS 1.8 5MT na Way MotorSport para verificar as modificações. Logicamente que há outras propostas para o Corolla, Focus e até dar um upgrade no Jetta TSI.
            Mas no caso do Civic achei mais interessante por causa do módulo Hondata.
            Um turbo pouco menor que o do Jetta TSI + Hondata + suspensão + bico injetor + placa de embreagem a brincadeira sai por R$ 20 mil.
            Resultado: motor com mais de 270 cv, torque superior a 37 kgf.m (disponível antes dos 3.000 rpm e vai até mais de 6.000 rpm). Não necessário intercooler, nem mexer no motor.
            E o melhor, autonomia maior que o atual devido à Hondata. Porém, só bebe Etanol ou gasolina de alta octanagem.
            Na cidade faz 8,0 km/l. Na estrada faz 11,0 km/l a 110 km/h (3.100 rpm).
            Com a configuração atual de 6MT passará para mais de 11,0 km/l a 120 km/h.
            0-100 km/h em menos de 7s. Só não sei a velocidade máxima porque ainda não foi na pista de Interlagos.
            Foi de deixar louco de vontade ter um brinquedinho desse …

          • Engenheiro mecânico

            19 de julho de 2013 at 11:49

            E VC NAO FICA 3 MESES COM O MOTOR E JA TERA QUE VISITAR O MECANICO

          • PerobaC

            19 de julho de 2013 at 12:26

            Até que não.
            Conheço o resultado de alguns modelos de 2007 a 2010 que não tiveram problemas.
            O turbo é menor que o do Jetta TSI, e o motor deste último nada tão diferente da versão Confortline.
            Está certo que o 1.8 não se compara com o 2.0 SI, onde a robustez do motor é muito maior que qualquer um do mercado brasileiro, mas garanto que não paulará porque a pressão não ultrapassa os 0,4 kgf/cm² …

          • PerobaC

            19 de julho de 2013 at 12:26

            Até que não.
            Conheço o resultado de alguns modelos de 2007 a 2010 que não tiveram problemas.
            O turbo é menor que o do Jetta TSI, e o motor deste último nada tão diferente da versão Confortline.
            Está certo que o 1.8 não se compara com o 2.0 SI, onde a robustez do motor é muito maior que qualquer um do mercado brasileiro, mas garanto que não paulará porque a pressão não ultrapassa os 0,4 kgf/cm² …

          • rttomaselli29

            25 de junho de 2013 at 16:36

            O atual 1.6 Sigma da Ford é assim antes dos 3000rpm é um desespero só.

      • jao_simonetti

        25 de junho de 2013 at 16:57

        Injeção direta no Brasil: Hyundai Sonata, Kia Optima, Chevrolet Captiva, Jetta TSI, Peugeot 408 THP (e cia de mesmo motor), dentre outros…

        • Gustavo73

          25 de junho de 2013 at 21:46

          Vc tem razão sobre a Captiva, eu nem imaginava. Mas os coreanos aparecem no seus respectivos sites como multiponto sequencial. Nenhuma referência a injeção direta…
          E assim como os THP todos os TSI da VW tem injeção direta. O novo A3 1.8 tem injeção direta e indireta. Assim como o 2.0 do novo Golf GTI…

      • Gustavo73

        25 de junho de 2013 at 19:09

        A Audi com o 1.8 TSI e a VW com o 2.0Tsi do Golf GTI já tem os dois sistemas…

        • V8_sempre

          25 de junho de 2013 at 21:09

          Esse é o ideal !! heheh

          • Gustavo73

            25 de junho de 2013 at 21:26

            Lembrei de vc quando li a notícia. Vc foi o primeiro que vi levantar esse história…

      • Marclawyer

        26 de junho de 2013 at 10:48

        O melhor, como disseste, é a combinação de ambos os tipos de injeção, porque permite uma curva de torque "mais aproveitável".
        O problema é o custo disso para os carros do nosso mercado, bem como os problemas com a qualidade do combustível aqui vendido.

        • PerobaC

          26 de junho de 2013 at 20:45

          Ah, não nos esqueçamos de que há ainda a tecnologia TFSI, onde há a injeção direta estratificada.
          Muito melhor que essa da 1a geração.
          Porém, só com gasolina de 89 ou mais octanas. Preferencialmente a que contiver o maior possível …

      • PerobaC

        26 de junho de 2013 at 13:48

        Ah, o caso do motor de 16V facilmente é contornado pelo sistema VTC System (Valve Timing Control — hehehe, não é o Vai Tomar no C..).
        Sei que o Civic SI tem. O Sentra no Japão também tem.
        Há uma galera que tem pego o Corolla e Civic para instalar um sistema que deixa o carro mais esperto apenas pela modificação eletrônica. A curva de torque muda seu formato, e disponibiliza torque já em baixas rotações.
        Porém, sacrifica a autonomia …

        • Aversa

          19 de julho de 2013 at 11:55

          Daqui 10 anos a realidade automotiva do brasil vai mudar da idade jurássica para o fim da idade media, fico feliz em ver que nosso mercado esta começando a querer se adequar a realidade mundial, em breve ( 3 a 7 anos ) acredito que teremos carros com bem mais economia tecnologia segurança qualidade etc, embora ainda pagando nossos preços abusivos, mas infelizmente a realidade eh essa e isso com ctz não vai mudar nunca. mas pelo menos vamos pagar por algo muito mais avançado.

  2. Renato_Duarte

    25 de junho de 2013 at 12:07

    muitos desinformados achavam que o motor I-VTEC fosse de injeção direta,,na verdade é apenas de duplo comando variavel, igual o dual VVT-I da toyota

    • V8_sempre

      25 de junho de 2013 at 14:18

      Tbém não possuem Coletor de Admissão Variável… Presente no CRUZE, por exemplo !

      Mas não adianta ter um motor moderno, se o carro não ajuda (Aerodinâmica, câmbio, suspensões, pneus, chassis, peso) ! Por isso o importante são os números na pista ! O resto é teoria !

      • saosao

        25 de junho de 2013 at 17:00

        Para uns o mais importante são os números na pista, para outros é o número de cavalos, e para outros é a beleza…

        Vai entender…

    • Edson

      25 de junho de 2013 at 16:34

      Dual VVT também está no Ecotec do Cruze.

  3. Itallo

    25 de junho de 2013 at 12:07

    E a remodelagem no Brasil, quando está prevista? Comprei um lxr ontem, será que dura até o ano que vem essa geração?

    • Tron

      25 de junho de 2013 at 19:43

      Pode ficar tranquilo porque a honda só volta a mexer no civic nacional em 2015, ano em que ele sofrera uma boa atualização. Alguns dizem que já em 2014 o nosso será igual ao americano, mas isso e infundado, até porque nao repercutiria bem perante os cliente fieis a marca alteráramos seguidas entre 2012 e 2014.

    • The Voice

      25 de junho de 2013 at 21:17

      Vai ter uma remodelação o ano q vem e em 2015 esse novo motor…
      Bom pelo visto, vai ficar = a celulares, cada hora mudando e desvalorizando + rápido.
      Com a concorrência se acirrando, é normal q mude alguma coisa de ano em ano, ou até em menos tempo…

  4. kitokar

    25 de junho de 2013 at 12:21

    Muito bem, Honda.
    Para ser líder ou se manter entre eles é preciso mostrar serviço!

  5. Edson

    25 de junho de 2013 at 12:26

    É um grande avanço no Civic.

    Carros com injeção direta no Brasil estão penando com a qualidade da nossa Gasolina.

  6. Edson

    25 de junho de 2013 at 12:28

    Agora esse câmbio CVT… não poderia ser um AT de 6 ou mais marchas ou Dulpa Embreagem?

    CVT é brochante.

    • PerobaC

      25 de junho de 2013 at 13:12

      É aí que está a novidade.
      Acho pouco provável que seja o CVT Orbital de 7 velocidades virtuais.
      Caso seja este câmbio, esqueça o que conhece do CVT da 1a geração, ou dos câmbios automatizados, automático ou manual.
      Sua proposta é similar ao CVT comum, porém, muito mais ágil para acelerar ou desacelerar, kick-down rápido, e maior rendimento mecânico que qualquer câmbio.
      Seu funcionamento é similar ao CVT Toroidal da Nissan, mas concepção muito diferente.
      Porém, manutenção caríssima.

    • V8_sempre

      25 de junho de 2013 at 14:21

      CVT é uma tecnologia complicada… Mesmo sendo um sistema muito mais simples… Muitas montadoras o ignoram por questão de durabilidade, lentidão das respostas, perda de torque, etc….

      Mas… A tecnologia avança ! Olha o nível que estão os automatizados (Embora seus custos tenham se tornado maiores que o de um AT convencional) !! Creio que seja melhor aguardar os resultados em pista !

      • PerobaC

        25 de junho de 2013 at 14:41

        Teve um carro da Nissan que testaram o CVT Toroidal.
        Não achei o vídeo, nem a página porque estava tudo em japonês, mas é surpreendente esse novo câmbio.
        Se você acha que é caro o automatizado, imagina esse novo câmbio da Nissan, cheio de firulas e 11 horas …

        • V8_sempre

          25 de junho de 2013 at 15:39

          Ainda sei pouco sobre esse novo sistema… Mas tomara que dê tudo certo !

        • jao_simonetti

          25 de junho de 2013 at 16:59

          Bem lembrado.

          Este CVT tem uma manutenção caríssima – o CVT MK I também tem, haja vista a troca de cintas e polias que custa muito caro.

      • V8_sempre

        25 de junho de 2013 at 14:44

        Problema comum em CAMBIO CVT !

        Honda FIT com 42 mil km (Há vários outros casos no Youtube, em SENTRA, LANCER, etc) ! Alias, acho que serve tbém pra quem diz que japonês NUNCA quebra ! heheh

        [youtube 9iIuyRaMBRA http://www.youtube.com/watch?v=9iIuyRaMBRA youtube]

        • PerobaC

          25 de junho de 2013 at 15:01

          Não existe o carro perfeito, nem o carro inquebrável.
          Assim como não existe a mulher perfeita.
          Também não é a idéia de se fabricar um carro com componentes duráveis, mas confiáveis.
          Por exemplo, quando se pensa em Toyota, qual a primeira impressão que seus produtos transmitem?
          R.: Confiabilidade.

          INFELIZMENTE, demorará para alguém retirar este domínio ….

          • V8_sempre

            25 de junho de 2013 at 15:36

            Pois é…. heheh

          • Pil

            25 de junho de 2013 at 16:17

            Na verdade é mais um mito do que uma realidade. Todas as marcas tem seus problemas, umas mais outras menos. Eu não compro carro de Toyota e Honda, eles são muito ruins no custo x benefício. Os carros de ambas deveriam custar pelo menos 15 mil reais a menos do que custam. Também poderiam custar o mesmo que custam hoje, mas teriam que ser recheados de equipamentos e tecnologias de ponta.

          • jao_simonetti

            25 de junho de 2013 at 17:00

            Honda e Toyota são ruins de custo x benefício?

            Realmente és um fanfarrão!

          • V8_sempre

            25 de junho de 2013 at 18:02

            No comments !

          • vgdoche

            25 de junho de 2013 at 18:56

            Fanfarrão é um elogio pra esse indivíduo aí. Só mais um frustrado Louco de vontade de ter um Honda ou um Toyota, mas…

        • rttomaselli29

          25 de junho de 2013 at 16:38

          a questão não é ser inquebrável e sim quebrar menos se nas concorrentes a quebra é de 5 a cada 100 na Honda é de 1 a cada 100. Só um ex.

          • saosao

            25 de junho de 2013 at 17:02

            De onde vc tirou esses números?

          • V8_sempre

            25 de junho de 2013 at 18:05

            kkkkk

            Hoje, definitivamente…. Vou passar o dia todo rachando o bico ! heheh

          • kkkkkkkk

            19 de julho de 2013 at 12:05

            É por essa idolatria a honda e toyota que eles cobram o que cobram, populares no resto do mundo, minha faxineira aqui nos EUA vem trabalhar com um honda civic 2014 desse remodelado aqui, lindo demais, se eu fosse honda e toyota cobraria 100.00 pelo top, e 75 pelo mais simples, pq é o que trouxas como brasileiros merecem

          • vgdoche

            25 de junho de 2013 at 19:15

            Esses números aí eu não sei de onde ele tirou, mas no link abaixo dá para se ter uma boa idéia sobre a durabilidade dos motores Honda frente aos dos outros fabricantes:
            http://quatrorodas.abril.com.br/noticias/seguranc

          • saosao

            25 de junho de 2013 at 19:32

            Aí sim um argumento embasado! Obrigado!

            Gostei… fico ainda mais tranquilo em dirigir meu Civic velho de guerra!

          • V8_sempre

            25 de junho de 2013 at 20:59

            Realmente ! Mas isso tudo é muito relativo !

            A própria 4 Rodas que tbém afirmou no teste de 60.000 km que o CRUZE é modelo mais resistente que já testaram na história da revista !

          • saosao

            25 de junho de 2013 at 21:17

            É tudo relativo sim, inclusive no que vc colocou!

            A pesquisa foi feita no Reino Unido com produtos provavelmente comercializados lá (não que não sejam aqui também). A 4 Rodas usou um Cruze vendido no Brasil.
            E a pesquisa falou de motores, e a 4R do conjunto inteiro.

            No final ambos são excelentes, mas eu ainda prefiro o Civic, rs.

          • V8_sempre

            25 de junho de 2013 at 21:21

            Mas realmente a pesquisa parece séria e importante ! E olha.. Em plena europa !

            Condiz com minha teoria…. A que os europeus se preocupam demais com tecnologia e esquecem a robustez !

            Deixaram os alemães em maus lençóis na pesquisa ! heheh

          • rttomaselli29

            25 de junho de 2013 at 22:13

            Calma galera foi só um exemplo simples de tanto ouvir os donos de Honda dizer que não quebra nunca. Não fiz pesquisa nenhuma más é sabido da qualidade dos seus carros vcs podem ver isso nas oficinas quantos carros seminovos de várias marcas com problemas e quantos Civics vcs vem.
            A diferença pode ser menor ou maior mas acredito que o Civic seja o melhor.

          • jao_simonetti

            26 de junho de 2013 at 0:50

            O único senão do Civic é não ter ESP. De resto, menos pelo câmbio, o 2.0 dá um banho Honda no Chevrolet.

          • Tron

            25 de junho de 2013 at 19:45

            Pesquisa britânica divulgada recentemente em vários canais de comunicação. O mais espantoso foi a constatação de tal pesquisa de que 1 em cada 10 BMW apresenta defeitos no motor.

  7. Nivaldo

    25 de junho de 2013 at 12:37

    ai tem
    golpe
    a injeção direta de gasolina, aqui no Brasil não funciona e a culpa é da nossa merdgasolina, ela tem 1000, eu disse 1.000, ppm de enxofre, enquanto no mundo civilizado 50 ppm
    E ha rumores que em 2014 a petrobras vai entregar gasolina com 50 ppm de enxofre
    e hoje ela existe ja com a gasolina podium e de quebra o indice de octanagem é 95
    a Podium é paraiso para os carros importados
    Os que veem para o Brasil são desativados o sistema de injeção direta e só usa a indireta
    por isso que alguns carros não veem para cá e na Argentina sim , pois lá a gasolina portenha tem 50 ppm de enxofre
    agora os fabricantes locais começam a se mexer com a injeção direta
    ai sim e até o Ryundai vai ter a cavalaria que a propaganda estabelece

    • PerobaC

      25 de junho de 2013 at 13:31

      A refinaria do Vale, REVAP, já fornece gasolina com menos de 50 ppm de enxofre. A média tem flutuado ao redor de 30 ppm.
      A REPLAN, atualmente está ao redor de 200 ppm. Mas até Setembro entrará uma nova unidade que fornecerá gasolina com baixo enxofre.
      A Podium também está ao redor de 30 ppm.
      Mas temos que aguardar, porque essa nova gasolina poderá dar uma chacoalhada no mercado, uma vez que a autonomia dos carros irá subir significamente (aprox. 10%) e a relação de 70% em relação ao Etanol fica abalada.
      A grande vantagem no Brasil é que o Etano anidro ajuda na octanagem da gasolina de 5 a 6 octanas de ganho. Isso é interessante, visto que em outros países se utilizam de recursos mais caros …

    • V8_sempre

      25 de junho de 2013 at 15:03

      Ai Jesuis… Já vi que vou passar o dia todo rindo sozinho de novo !

      Da onde é que vc tirou tudo isso, mermão ? Sistema de injeção direta "desativado" e usam o indireto ??? kkk

      Lógico que FUNCIONA !

      Motores de CAPTIVA, MALIBU e TRAILBLAZER ou o 1.6 THP da PSA, usados aqui, SÃO COM INJEÇÃO DIRETA, por exemplo !

      Existem dificuldades técnicas em adaptar o sistema para uso com ALCOOL !! Mas já estão superando!

      • Nivaldo

        25 de junho de 2013 at 16:09

        vc precisa ler mais, por ex. os anexos técnicos de comunicação interna das css e para eng
        mas em alguns sites reservadamente eles comentam isso

        • V8_sempre

          25 de junho de 2013 at 18:50

          Desculpe ! Mas não fui eu que disse que a injeção direta nem funciona com nossa gasolina ! heheh

      • jao_simonetti

        25 de junho de 2013 at 17:08

        O Malibu não tem injeção direta, prezado. O próximo 2.0 turbo, sim: 270cv e absurdos 40kgfm de torque.

        O Trailblazer, salvo engano, é um motor de pouca eficiência e de geração antiga, que já está dando adeus lá fora (por isto mandaram para cá).

        • V8_sempre

          25 de junho de 2013 at 18:22

          Se quer levar ao pé da letra… O MALIBU nem está sendo vendido no país (Saiu do site da GM há muito tempo) ! Mas ele sempre usou o mesmo motor da CAPTIVA !!

          Mas segundo vc mesmo… Então a GM já está aposentando até motores V6 com injeção direta ? Puxa ! Tão podendo mesmo ! kkkkk

          • jao_simonetti

            25 de junho de 2013 at 19:29

            O Captiva atualmente é um 3.0 de injeção direta, que gera 268cv;
            O Trailblazer é o antigo motor 3.6 V6, que gera 239cv.

            O Malibu usava o 2.4 sem injeção direta, que o Captiva usou até 2011.

            São motores diferentes.

          • V8_sempre

            25 de junho de 2013 at 20:12

            Captiva 2.4 ECOTEC (injeção direta) – R$ 92.990
            Captiva AWD 3.0 (injeçao direta) – R$ 106.190

            (Site da GM)

            Nos EUA… MALIBU usava o mesmo 2.4 ECOTEC com injeção direta da Captiva… Então talvez nossos MALIBU´s 2012… Não sejam bem "2012" ! heheh

            Pesquisando mais a fundo… Ao contrário do que li em algum lugar… Realmente ninguém menciona que o 3.6 tenha injeção direta ! Importante correção !

          • jao_simonetti

            26 de junho de 2013 at 0:53

            É o que estou te falando: Até 2011, o Captiva não tinha injeção direta.

            É exatamente este motor que o Malibu vendido por aqui tinha: não era o atual 2.4 que equipa o Captiva a partir do modelo 2011.

            Leia: http://revistaautoesporte.globo.com/Revista/Autoe

          • V8_sempre

            27 de junho de 2013 at 3:06

            Então… Como há MALIBU`S 2012 no país…. Eu julguei que ele tbem tinha recebido a nova versão do motor ! :-)

    • V8_sempre

      25 de junho de 2013 at 15:31

      A GASOLINA….

      Qdo o mundo resolveu abolir o CHUMBO da gasolina… Por ser uma substância altamente poluente, cancerígena e MIL VEZES pior que o enxofre ! Precisaram encontrar substitutos ! No Brasil, se usou o alcool anidro (Nos EUA, tbém utilizam muito) ! Quem não usa o alcool anidro, usa substâncias similares (Que sejam abundantes e baratas em seus locais de origem) !

      A "sua" ARGENTINA… Ainda é um dos raros países do mundo que utilizam CHUMBO !! É um veneno até para os nossos carros (E pulmões!). kkkk

      • Nivaldo

        25 de junho de 2013 at 16:17

        eu não discuto o que tem na gasolina argentina, o que sei é que as fabricas estrangeiras, como a VW em relação ao Sirocco , por que ele é vendido la e qui não, a explicação técnica da própria VW foi o que relatei, ademais , eu sei das coisas pois sou engenheiro
        agora se tem isso ou aquilo ai não entra no mérito
        O mérito é que vc ve um monte de carro importando com o motor fundindo literalmente
        como é o caso das bmws, e o detalhe segundo as análises técnicas decorrente do combustível utilizado
        a o chumbo é vendo , eo enxofre é o que uma benção?????rs rs rs rs rs rs rs
        E veja o caso do diesel que é uma vergonha nacional
        agora estão lançando o E50, e nos postos que tem é mais caro?

        • V8_sempre

          25 de junho de 2013 at 18:32

          Realmente a BMW teve problema com motores fundindo precocemente… Mas isso faz décadas! kkkkk

          Na Argentina…. Vai ver que os motores "desativam" o chumbo da gasolina, não ?

          Conheço uma cidade… Pereira Barreto/SP ! Lá a água é retirada de poços artesianos tão profundos (Ela sai até quente)… Que possui alto teor de enxofre… Se percebe até pelo cheiro !

          As pessoas a bebem…. E dizem que é ótimo para a pele, que fica meio oleosa ! kkkkkk

    • Pil

      25 de junho de 2013 at 15:41

      A Podium tem 102 octanas.

      • Nivaldo

        25 de junho de 2013 at 16:12

        no site da petrobras e dos engenheiros é 95, sendo que a comum/eou aditivada 82
        isso é conceito técnico de valor de média, que é aceito
        agora nada impede de um produto ter uma variança positiva, ai tem 102 octanas, mas o padrão de chão de refinaria se trabalha, com o vlaor de 95

        • V8_sempre

          25 de junho de 2013 at 19:41

          Sabe o que é OCTANAGEM, meu amigo ?

          É somente a capacidade de resistência a DETONAÇÃO ! A potência maior, depende do motor em saber aproveitar isto !

          E nossos motores andam aproveitando muito (Sob altas taxas de compressão)… Que temos os 1.0 8V e 1.4 8V aspirados… Mais potentes do planeta ! :-)

          A nossa gasolina comum tipo C (Encontrada nos postos) hoje, possui 87 OCTANAS ! Texaco e Shell, por exemplo, declaram isso abertamente !

  8. saosao

    25 de junho de 2013 at 13:38

    É o que eu digo, Toyota só se mexe quando a Honda e Nissan se mexem, e vice-versa.
    Civic sempre foi o principal rival do Corolla, e agora o Focus também na briga.

    • Pil

      25 de junho de 2013 at 16:19

      O Focus III será a referência em tecnologia, desempenho, consumo, qualidade.

      • Edson

        25 de junho de 2013 at 16:39

        Pil, queria que você me mostrasse onde que o motor do Focus 3 que vem para o Brasil, Duratec, tem injeção direta. Se tivesse ele passaria de 180 cv bem fácil.

        A única modificação que fiquei sabendo é a adoção de um Duplo Comando de Válvulas Variável, até que enfim, né?

      • jao_simonetti

        25 de junho de 2013 at 17:10

        Todos Ford Focus sempre foram referências.

        O atual só não é melhor do que a concorrência porque tem 5 anos de mercado no Brasil, não oferece itens de segurança importantes (ESP, BAS e 4 airbags), o motor não é VVT e não tem um câmbio automático que dê mais amplitude ao conjunto mecânico.

        Também posso dizer que o interior dele está muito defasado (o facelift europeu de 2007 só alterou o painel de instrumento. Portanto, o interior é praticamente o mesmo desde 2004 na Europa).

        Quando minha mãe comprou o dela em 2009, percebi que meu Civic LXS 1.8 só tinha o painel digital de vantagem ao Focus. Era absurda a diferença em termos de dirigibilidade, estabilidade, tecnologia embarcada e itens de conforto.

        • vgdoche

          25 de junho de 2013 at 20:03

          "Só o painel digital"? Painel digital para mim é o de menos. Me apego mais à confiabilidade e durabilidade, que nos carros da Honda são INFINITAMENTE superiores aos de quaiquer concorrentes, diretos ou indiretos como o Focus. Exceto o Corolla, que é concorrente direto e está no mesmo nível de confiabilidade, e há quem diga que é ainda mais confiável.

          • PerobaC

            25 de junho de 2013 at 20:52

            Corolla ainda é ligeiramente melhor que o Civic em termos de confiabilidade considerando o produto como um todo.
            Mas no quesito conjunto mecânico, o Civic está na frente, conforme dados do seu post anterior.
            O motor do Civic é muito robusto, por isso muitos gostam de prepará-lo, pois aguenta o rojão.
            Tem muitos que colocam um turbo maior que o do Jetta TSI (1,6 bar contra 1,5 bar do TSI) sem necessidade de alterar nada no motor em termos de reforço em anéis e pistões …

          • saosao

            25 de junho de 2013 at 21:13

            Em relação à confiabilidade, também tenho a Honda e Toyota como os tops. Já tivemos Civic 2004, Corolla 2004, Corolla 2011 e Corolla 2013.
            Minha análise de mero usuário:
            Corolla 2004: para não dizer que não houve problema, só tivemos um problema com o escapamento. De resto, até a venda em 2010 ele não fazia um único barulho e o motor 1.8 AT era excelente e silencioso. Carro confortabilíssimo.
            Civic 2004: para não dizer que não houve problema, uma única vez o sensor do termômetro do motor queimou. De resto, só troca de peças de desgaste. Hoje ele faz alguns barulhos embaixo que denotam a idade, mas tirando isso é super confortável, perdendo só para o Corolla.
            Corolla 2011 e 2013: sem comentários. O motor 2.0 é um foguetinho.

            Obviamente que eles pecam em equipamentos que a concorrência tem e que pertence à um segmento inferior nos EUA, mas para a realidade brasileira ele é muito bom.

          • PerobaC

            25 de junho de 2013 at 23:49

            O Corolla 2012 2.0 AT foi uma escolha mais consciente, em vista à vantagem que tinha e saiu quase 20% mais em conta que o original.
            A Ford oferecia o Focus por aprox 22% mais em conta, porém, como conheço a mecânica do Corolla, optei por este último.
            Não tem me dado problemas – porque se desse, iria jogar uma bomba em Indaiatuba hehehe
            Antes disso tive um Fox 2005. Graças a Deus não tive problemas com ele.
            Bebia bem tendo em vista que o 2.0 bebe igual e anda muito mais …

          • jao_simonetti

            26 de junho de 2013 at 1:17

            As peças da Toyota atingiram um nível de qualidade que só a Mercedes-Benz e GM conseguem chegar perto.

            Palavras do vice-presidente da VW alemã, que reconhece a qualidade das rivais.

          • PerobaC

            26 de junho de 2013 at 8:37

            Esse reinado da Toyota não será abalado tão cedo.
            Muitos dos itens que a concorrência oferece é perfumaria perto do "lugar ao sol" que a montadora ocupa.
            Digo "perfumaria" porque basta a Toyota colocar esses itens e se igualar à concorrência.
            Ao contrário da CONFIABILIDADE – que nos arremete ao termo CONFIANÇA – não é algo que se conquista da noite para o dia, ou de um momento para outro.
            A Toyota tem um imenso histórico de erros e acertos, centenas de milhares de horas no desenvolvimento em estudos e pesquisas, simulações e análises de produtos,sejam estas dela ou da concorrência.
            Isso tudo faz com que sua metodologia de implementação de novos produtos tenham os menores problemas críticos do mercado.
            O design pode ser insosso, mas em termos de Confiabilidade se encontra num patamar confortável.

            A Mercedes, BMW, Audi, entre outras marcas de luxo, compensam pelo histórico de boa aceitação no mercado pela segurança, refinamento no acabamento, pelos mimos e perfumarias, e em alguns casos, pela exclusividade (ostentação, orgulho).
            Na medida que a Toyota avança no mercado, seus produtos acabam por ganhar destaque pela racionalidade, porque conforto não é sinônimo somente de aconchego, comodidade, mas também das dores de cabeça evitadas.
            Acho interessante que a VW também está neste caminho, mas demorará um pouco para alcançar o atual patamar da Toyota.
            Já a GM também verifico que segue neste caminho, mas um pouco perdida entre aquela velha GM e a nova GM. Digo perdida, por causa das várias joint-venture que tem firmado sem avanço considerável que possa ter reflexo positivo para a empresa em curto espaço de tempo.
            Não vejo que a GM conseguirá retomar seu antigo espaço no curto (2anos) ou médio prazo (8 anos), visto que em vários países e continentes onde seus produtos dividiam a liderança, tem passado a ser coadjuvantes em vendas e preferência.
            Se verificar a natureza dos recalls das 4 tradionais (VM, Ford, Fiat, GM) no Brasil e no mundo, e comparar com o recall dos produtos da Toyota, verificará o quão críticas e, em alguns casos, graves são as estas falhas se comparado com desta última.
            No Brasil, apesar de verificar negligências por parte dela e também de todas as outras, certamente acompanhará as evoluções do negócio ao redor do mundo com suas peculiaridades respectivas a cada mercado e não vejo, atualmente, algum produto das 4 tradicionais que competem no mesmo grupo que possa encarar de igual para igual.
            INFELIZMENTE, essas ainda terão que queimar muito H-H para alcançar a Toyota neste quesito. INFELIZMENTE, INFELIZMENTE …

          • MDD-SC

            26 de junho de 2013 at 10:18

            Já são mais caros pelados, imagina se instalarem estas "perfumarias" como foi dito acima, para se igualar aos concorrentes. . .

          • jao_simonetti

            26 de junho de 2013 at 17:24

            VW, Ford e General Motors estão indo para um lado diferente da Toyota. Elas buscam motores e tecnologias diferentes das triviais, enquanto a Toyota prefere manter a integridade total e qualidade das peças fazendo o "feijão com arroz" de sempre.

            A Mercedes-Benz, em termos de motores a diesel, é a referência no segmento e, talvez, jamais será superada em termos de qualidade de peças.

            A VW está em parceria com a Bosch para fazerem a alimentação perfeita.

            A General Motors ainda tem certo medo de se atrever um pouco mais, já que seus automóveis ainda estão entre os mais duráveis do mundo (Vide o Zafira, considerado o carro mais confiável na Europa há anos). Conforme repliquei acima as palavras do vice presidente da VW, ainda não chegou ao padrão Toyota de qualidade. Creio que o motivo é: Peças diferentes para carros de mesma categoria. Aprendeu tarde, assim como a Ford e VW.

            O desenvolvimento Toyota que levou a japonesa ao topo: Gasta-se o máximo possível para se desenvolver uma peça, a qual será aplicada à maior quantidade de produtos (veículos) possíveis. Desta forma, a produção em larga escala faz do automóvel um produto de baixo custo, pois a quantidade produzida será grande e a perda na linha de produção será menor, pois a incidência de peças defeituosas será bem aquém daqueles projetos feitos em pequena escala. Foi isto que as outras 3 grandes aprenderam, pois a Toyota usa está prática há quase 4 décadas.

            Hoje, as 4 maiores do mundo fazem a mesma peça para carros de marcas diferentes (Audi para VW e Skoda; Opel para Chevrolet, Cadillac e Buick; Ford é One Ford). Aprenderam com a Toyota, e todas hoje visam ao baixo custo. Poucos sabem, mas os refinados Focus, Astra e Golf também se tornaram automóveis de baixo custo. A diferença fundamental é a quantidade de tecnologia e itens de conforto embarcados, bem superiores ao que vemos em um Toyota Corolla ou um Chevy Cruze.

            As demais japonesas, ainda sofrem com os diferentes tipos de qualidade em seus produtos (nem a Honda escapa, pois a Acura não tem muita confiabilidade de eletrônica). Este male é o qual a General Motors, Ford e VW pretendem fugir em menos de uma década.

          • jao_simonetti

            26 de junho de 2013 at 1:14

            Minha mãe teve 03 Corollas e nenhum apresentou problemas. O Focus dela, há 4 anos e 24 mil km rodados, tampouco.

            Acho muita tolice este lance de dizer com boca cheia que só automóvel japonês é durável e confiável. Cito vários exemplos, como as duas D20 e a S10 V6 dupla do meu pai que rodaram mais de 400 mil km cada uma sem dar um problema.

            O Civic sedã EX 1994 da minha mãe, tirado 0km em 1995, foi uma maravilha por quase 4 anos de uso e 50 mil km. O 1998, que veio depois, não: Estourou coxim e amortecedores, e também teve problemas de sujeira na TBI.

            Trocaram o Civic em uma Audi, que mais tarde ficaria comigo. Por oito anos e 200 mil km rodados, jamais deu sequer um problema (tem até hoje os amortecedores originais). Junto desta Audi, minha mãe teve uma Marea 2.4 que fundiu o motor aos 45 mil km, comigo no volante, na Dutra. O carro só foi dela e todas revisões na concessionária Fiat a cada 10 mil km, rigorosamente.

            O meu CIvic LXS, por 04 anos, teve problemas de amortecedores traseiros, trocados mais de uma vez na garantia. De resto, OK.

            Hoje também tenho um Cruze há mais de 1 ano e meio, que também mantém a qualidade, beirando os 30 mil km.

  9. anderson_sp

    25 de junho de 2013 at 14:24

    Boa notícia, espero que não demore a vir pra cá.

  10. Djowl

    8 de outubro de 2013 at 14:03

    Cvt naum…please…. :(. Prefiro as 5 marchas …só dá uma leve encurtadinha na 4 e 5 que fica 10!!!

  11. Carlos Gustavo

    15 de novembro de 2013 at 22:55

    Também comprei um ontem LXR, será que ano que vem já vem remodelado e eu vou pegar um carro novo com características de velho ?

  12. Marc

    20 de novembro de 2013 at 22:35

    vai. eu ia comprar um lxr em junho e segurei a onda por causa das mudanças

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>