Carros para sempre: Ford Pampa liderou segmento e marcou época com tração 4×4

Ford_Pampa_01 (7)

No começo dos anos 1980, a Ford já pensava em um modelo que servisse como carro de passeio e fosse versátil para o trabalho. O veículo precisava ser pequeno e econômico, pois com o crescimento das cidades, as necessidades de locomoção também mudavam. Dessa forma, baseada na plataforma da segunda geração do Corcel, a Ford apresentava em 1982 a picape Pampa.

Primeiro utilitário derivado de um carro de passeio da Ford, a Pampa iria concorrer com a pioneira Fiat 147 Pick-up/City no segmento de picapes compactas. Na época, a gama de picapes da Ford era composta por modelos maiores equipados como motores V8 como as F-100 e quatro cilindros, no caso da F-1000 diesel, porém todas de porte médio/grande, não sendo adequadas para o trânsito urbano.

Ford_Pampa_01 (9)

Para suportar os 600 kg de carga, a Ford modificou bastante a plataforma do Corcel. O entre-eixos aumentou de 2,44 para 2,58 metros e a altura de rodagem aumentou 3 cm. Foram aplicados pneus maiores e a suspensão traseira foi completamente modificada para feixes de molas, mais adequadas à situação.

Com tração dianteira, o motor era o mesmo 1.6 litro do restante da linha associado ao câmbio de cinco marchas com relações modificadas.

Ford_Pampa_01 (3)

Mas o ponto alto da trajetória da picape seria no ano de 1984. Chegava ao mercado a Pampa 4X4. A picape ganhava uma caixa de transferência, eixo rígido na traseira e roda livre automática. O câmbio de quatro marchas possuía tração integral acionada por uma alavanca à direita da haste de marchas. Sua tração permanente é a dianteira, sendo a tração traseira acionada por uma engrenagem.

Ford_Pampa_01 (2)

O visual era um pouco diferente e simplificado em relação à versão 4X2. Havia nova grade frontal, pneu de uso misto, rodas com cubos salientes e para-choques com garras para reboque. Devido ao peso extra, a capacidade carga era reduzida para 440 kg nesta versão.

No ano de 1986, chegavam as versões “L” (básica) e “GL” e toda linha Pampa recebe a grade frontal da versão 4×4. No ano seguinte, a Pampa passa a utilizar uma nova grade frontal semelhante à do Del Rey, de aletas horizontais, além de ganhar a versão Ghia. Nessa versão top havia o painel completo e vidros e travas elétricas, mas, por outro lado, o ar-condicionado foi abolido.

Ford_Pampa_01

Ainda na liderança de vendas no segmento, em 1989, graças à parceria com a Volkswagen na Autolatina, ela passa a contar o motor de origem VW, o AP-1800, equipando as versões “L”, “GL” e Ghia enquanto o CHT 1.6 permanecia nas versões “L” e “GL” 4×4.

Ford_Pampa_01 (6)

Em 1991, a Pampa ganha a versão “S”. Equipada com o motor AP 1.8 “bravo”, essa versão era mais completa e esportiva com diversos itens de série como rodas exclusivas, bancos individuais, ganchos externos, borrachas protetoras para a caçamba, janela traseira corrediça, spoiler dianteiro com faróis de neblina embutidos entre outros itens.

No ano seguinte, muda apenas a grade frontal e em 1994 a picape ganha carburador eletrônico nas versões 1.8. Em 1995, as versões Ghia e Jeep “GL” 1.6 4×4 são descontinuadas.

Ford_Pampa_01 (4)

A Pampa teve sua produção encerrada em 1997, constituindo-se em uma das picapes derivadas de automóveis mais vendidas da história com mais de 350 mil unidades comercializadas. Além disso, em toda a sua trajetória ela foi líder de vendas no segmento. Sua sucessora, a Courier, nunca repetiu o sucesso da pioneira picape pequena da Ford.

Publicidade
  • Massignan

    Quase 30 anos mais antiga e é melhor que a nossa Strada "off-road" cheia de plásticos e sem 4×4…

    • diego

      concordo plenamente…

    • Leonardomax01

      Realmente a PAMPA é superior a Strada,com plasticos ridiculos,

    • Iorguem

      Mais ou menos. Uma revista, na época (ache que a 4 Rodas) dizia que se você fizesse uma curva com a tração acionada, o eixo quebrava.

  • paulistadalapa

    A pampa marcou tanto, foi o carro bom para o trabalho que a FORD acha que o dinossauro da Courrier é a mesma Pampa de antigamente.

    • V8_sempre

      Desculpe… Mas a Courrier tbém é ótima para o trabalho !

      O que lhe faltou foi o motor "certo" ! Ou não andavam nada (ENDURA 1.3)… Ou era muito gastona (ROCAM 1.6) ou com manutenção cara (ZETEC 1.4 16V importado) para as prioridades do segmento !

    • V8_sempre

      Desculpe… É inferior…. Mas a Courrier tbém é ótima para o trabalho, considerando o que há hoje por aí !

      O que lhe faltou foi o motor "certo" ! Ou não andavam nada (ENDURA 1.3)… Ou era muito gastona (ROCAM 1.6) ou com manutenção cara (ZETEC 1.4 16V importado) para as prioridades do segmento ! Faltou… O CHT nela ! hehehe

      • Israel_Andrade

        O ponto para mim, como você disse, era a manutenção… O Fiesta não era barato de se manter (em relação aos populares) e a Courrier foi de carona… Porém era a maior caçamba da categoria e com a maior disposição para carga…

        • V8_sempre

          O Fiesta ainda não é barato de se manter… heheh ! Mas sempre achei que quebra bem menos que a maioria !

      • Rodrigo_Galera

        Realmente: mesmo "jurássica", a Courrier é SUPERIOR a Montana e Saveiro no que diz respeito a usar para trabalho!!!!!

      • Pil

        O Rocam foi gastão até 2008, de 2009 em diante com a nova calibração, ficou bem mais econômico. Pode por pra rodar e por pra trabalhar, a recem finada Courier ganha de qualquer uma de sua categoria, ela não tem perfurmarias, mas pra trabalho, não tem pra ninguém.

        Espero que a Ford faça realmente uma nova picape pequena, baseada no no novo Ka, essa notícia já corre nos bastidores.

        Porque vamos falar a verdade: PICAPE É FORD!

        • josué

          eu tenho uma pampa modelo 95, sou fã da ford

  • V8_sempre

    Meu pai teve uma dessas…. Daquela de banco inteiriço (3 pessoas)….. E adorava !

    Dirigi algumas vezes… Gostei muito de dirigir e o desempenho do CHT até me surpreendeu, pois ela parece pesada mesmo (Baseada no Del Rey).

    Definitivamente… Único probleminha era não comportar adequadamente pessoas altas. Pra se ter uma idéia, Além de contorcer cabeça e pernas…. Eu não consegui visualizar os instrumentos…. Para saber se eu estava a 100 km/h, só abaixando a cabeça toda hora.

    Mas tbém acontecia com a SAVEIRO G1 (Eu batia a cabeça no teto)… Na época, já tive que optar por uma CHEVY 500 (Nesta eu dirigia tranquilamente), para minha firma, por causa deste "probleminha" com a PAMPA (Nome que merecia ser resgatado) !

    • Pil

      Isso mesmo! Que a nova picape da Ford baseada no novo Ka, venha a se chamar Pampa, e que ofereça a opção 4×4!

  • dniro2011

    Andei em uma no ano de 87 muito confortável tinha a melhor caçamba da categoria suas concorrentes eram a Fiat pickap, Chevy e Saveiro dessas 4 acho que a melhor era a Pampa mesmo.

  • Sias

    Uma coisa que não lembrava é que também saiu uma versão da Belina com 4×4.
    http://clubedabelinasw.blogspot.com.br/2011/03/4x

    • V8_sempre

      Bem lembrado ! Além do acabamento pra lá de caprichado, câmbio AT até em pickup e popular de entrada…. As belas versões 4×4…. Tbém faziam parte dos grandes diferenciais a favor de Ford e GM na época, que o brasileiro não valorizou. Como não podia deixar de ser…. Hoje……..

      • Sias

        Ouvia falar que as versões 4×4 não vingaram porque o eixo traseiro dava muito problema de vazamento do óleo…mas isto não sei se era verdade.

        Meu pai teve uma Belina 83…um belo carro

        • V8_sempre

          Eu creio que não ! O que tem de GOL e FOX fundindo o motor até hoje (Por causa daquele problema de alguns anos atrás) não é brincadeira…. E ele ainda é líder de vendas ! :-)

        • Leandro1978

          A Quatro Rodas testou uma no Longa Duração, na época 50 mil km (03/87). Deu muitos problemas no sistema. Inclusive pararam de usar a tração integral, pois quebrava muito.

          • Pedro_Rocha

            A Pampa 4×4 foi descontinuada salvo engano em 1991 e relançada em 1993. Parece-me que essas últimas eram melhores mas a má fama fez com que o carro fosse retirado do mercado em 1995.

            O que não me entra na cabeça foi a Fiat ter deixado a Ford ficar sozinha nesse segmento 4×4, já que o Panda possuía uma versão SW 4×4 na Itália e seria fácil criar uma picape com ela. Entretanto, acho que com a chegada do Panda 4×4 à Argentina a Fiat não vai repetir o erro e deixar a futura picape Duster 4×4 (prevista para 2015) reabrir o segmento inaugurado pela Pampa.

        • http://magnificopistao.wordpress.com/ Sinatra

          As relações finais dos eixos dianteiro e traseiro eram ligeiramente diferentes, pois não se usava diferenciais de idêntica relação, mas sim engrenagem de compensação na própria caixa de câmbio para tentar igualar as relações finais.
          Diante desta pequena diferença, em pisos aderentes como o asfalto, o sistema trabalhava forçado, desgastando-se prematuramente.
          É exatamente por este motivo que a Ford recomendava, no manual da Pampa e Belina 4×4, que a tração integral somente fosse utilizada em pisos de baixa aderência, onde realmente era necessário e onde não trabalharia forçado. Poucas pessoas atendiam a essa recomendação, e ligavam a tração extra em qualquer situação. O resultado inevitável era a quebra.
          Tanto era a intenção da Ford de fazer o sistema para "apenas quando necessário" que até roda-livre o mecanismo tinha, para evitar consumo excessivo de combustível enquanto estivesse com a tração desligada.
          As relações diferentes com mera engrenagem de compensação na própria caixa foram as estratégias da Ford para reduzir os custos e o peso, que minavam a atratividade, consumo e capacidade de carga da picapinha, que já restavam um pouco combalidas por conta dos acessórios extras.
          Vale ressaltar que as versões a álcool da Pampa possuiam dois tanques de combustível.

    • Pil

      E o Brasil profundo precisa desses carros 4×4, não só o burguês que tem sítio de final de semana, mas o produtor rural de pequeno porte, precisa de carros robustos e acessíveis 4×4 para sair e chegar de locais cheios de barro, terra, alagados etc. Torço para uma nova Pampa 4×4 da Ford, que seja muito forte, muito robusta e que não custe uma fortuna. Infelizmente o Troller é muito caro, se custasse até 60 mil reais, seria um carrão para trabalho rural, e seria legal uma picape dele.

      • http://magnificopistao.wordpress.com/ Sinatra

        Pil,
        Já tivemos a Troller Pantanal, que durou de 2006 a 2008 e teve 77 unidades vendidas. Quando a Ford comprou a Troller, anunciou recall do modelo, determinando a recompra das unidades já comercializadas e encerrando a produção. A alegação era de possíveis trincas no chassis, mas talvez a Ford tenha visto algo a mais de errado no projeto e tenha retirado de linha para evitar passivos judiciais no futuro, pois fossem só tricas alguns reforços e revisão no processo de solda dariam conta de contornar o problema e a Ford teria uma picape menor e mais barata do que a Ranger no colo, bastando refiná-la.
        A Pantanal era a verdadeira reincarnação da F-75.

  • Mr. Car

    Andei muito com uma "GL" para os serviços da fazenda. Picapinha resistente e gostosa de dirigir.

  • mauricio

    Os motores CHT era ótimo de dirigir, econômicos e o acabamento da FORD sempre se sobressaiu. As outras eram pé-de´boi perto do painel e acabamento de bancos e portas da FORD.

  • rttomaselli29

    Guerreira!!!

  • Antonio JS

    o sucessor teórico seria a linha do Logan/Sandero, pois nada mais são que uma evolução dos antigos Renault 9 de onde surgiu o projeto do Corcel.

    • DaniloSouza

      E desde quando Logan e Sandero são projetos da Renô? kkkkkkkkkkkk

      • http://magnificopistao.wordpress.com/ Sinatra

        A família Logan foi projetada no Tecnocentro da Renault perto de Paris, seu desenvolvimento começou em 1999 como projeto X90, inclusive mesmo ano da aquisição da Dacia pela Renault.
        É projeto da Renault sim, e não é porque foi originalmente pensado para ser vendido sob o badge da Dacia que isso faz dele algo distante da matriz, pelo contrário: é comercializado até sob a marca Mahindra na Índia.
        E somente para lembrar, o projeto M, que originou Corcel e Renault 12, o primeiro vindo ao mundo meses antes, é filhote de joint-venture entre Renault e Willys, e não um Renault completamente puro.
        Mas lógico, tirar sarro do colega é mais importante que pesquisar para não falar bobagem, né?

  • MESTRE

    Um dia fui fazer um "carreto" com uma Pampa com banco inteiriço e como tenho 1,92 era impossível engatar a primeira. Sei que foi um sufoco rsrsrs

  • CharlesAle

    Excelente picape,se bobear até hoje é a mais robusta para o trabalho,pois uma em excelente estado está caríssima….

  • TGigio

    E a pampa cabine dupla!? Era oficial ou adaptação?

    • Victor Hugo

      adaptação

  • daniel

    kkkk OH!! pampa !! o cunhado meu pai comprou uma carroça de uma pampa e restaurou ela toda, ficou linda a pampa 92 álcool , quanto esta fria é uma bosta, mas quando o motor esquenta vira um foquete a pampa 1.8, aguenta um tranco feio! ate pesada a pampa anda tranquilo!!

  • zé do mingau

    que venha logo essa renault pick-up 4×4, preencher esse vazio deixado pela pampa, s10 antes ranger e etc; compreço menor.

  • andshiga

    "Tô à pampa"

  • Jorge Nunes

    Eu tive duas dessas quando jovem a primeira foi CHT 1.6 e andava muito…fora o puta torque em baixa (deixava vários carros de passeio no chinelo), depois eu tive uma AP 1.8 que andava mais ainda, nessa época eu fazia motocross, eu sempre gostei de ter picapes, para levar as motos, depois a família cresceu e eu tive que me desfazer da Pampa e acabei pegando um Versailles 2.0I Ghia, mas sempre tive saudades das Pampas, valeu pela lembrança!

  • Helder 1.8T

    Saudade da pampa, tivemos duas e digo.
    Aguenta o tranco

  • jaisondb

    Mesmo a 4×2 e seus aros 13 é muito boa em terrenos ruins claro que respeitando suas limitações.

  • jaisondb

    Talvez o erro da 4×4 foi ter feito o sistema de engate dentro da caixa usando a 5°, sei lá se tivessem puxado pra fora da transmissão o sistema de engate 4×4/4×2 e mantido a 5° e alguma limitação mecânica que não permitisse engatar a 4° e 5° com a tração 4×4 engatada talvez o sistema fosse mais robusto. O que teve de relatos de gente que andava no asfalto com a tração ligada. E com a 5° poderiam colocar uma 1° mais curta ainda.
    Temos uma aqui 93 4×2 1.8 L banco inteiriço. E aguenta a lida no interior.

  • Pyro

    Marcou época e a lateral do meu carro!! Só tem pereba dirigindo essa coisa hoje em dia

  • Sias

    Interessante é que ainda hoje alguns sistemas 4×4 não são apropriados para pisos com boa aderência, como os part-time.

  • Bruno Bezerra

    Excelente matéria, pessoal!, O Ford Pampa veio da era de 1980, isso quer dizer que foi fabricado enquanto ainda fabricavam pequenas e grandes caminhonetes com seriedade, aguentavam tudo, inclusive na versão 4×4. Onde eu moro, havia um senhor que tinha uma Ford Pampa, ano 1989, topava tudo, raramente necessitava de conserto, ainda tinha os itens opcionais de série, que a tornava uma pick-up confortável. Hoje em dia, o seguimento de pequenas pick-ups é de ''fazer chorar'', puro plástico.

  • manoel aguiar

    tenho uma pampa 1984, ainda estou arrumando ela, já fiz motor, agora estou procurando peças da funilaria.e gostaria de saber, como conseguir um catalogo de pçs da funilaria, pois não conheço os nomes das peças exep. porta e etc. eu quero deixar ela impecável. ajude-me. já dirigi uma e gostei muito.

  • vanone

    O pampa foi um dos carros mais populares do Brasil, com o motor AP 1.8 ela arrebentava e para carga era ótima também,eu tive uma e foi uma pena sair do mercado,que carro viu…

  • Raphael Maia

    A melhor pick-up já fabricada de pequeno porte. Como disse uma pessoa acima, Pick-Up é FORD! A F-1000 também é líder de qualidade no segmento pick-up grande porte.
    Tivemos uma Pampa L 1.8 gasolina, 97/97, espetacular. Aguenta tudo. Tivemos F-1000 95 també, das grandes é a melhor até hoje. Estou no momento atrás de uma Pampa para compra, que seja com motor 1.6 CHT e banco inteiriço. (pois somos em 3). Se alguém souber: raphaelmaia3@hotmail.com ou raphaelmaia@folha.com.br Obrigado