Carros para sempre: Ford Belina foi de pioneira a perua mais luxuosa do segmento

belina19702 Após o lançamento do Corcel, em 1968, um projeto surgido da parceria entre Ford e Renault, a marca do oval azul se preparava para ampliar a gama. Primeiro veio o cupê e, algum tempo depois, em março de 1970, chegava a versão perua com vocação familiar: a famosa Belina. Com destaque para o espaço interno amplo para cinco pessoas e porta-malas generoso, a Belina fez sucesso já a partir do lançamento. O ponto fraco era o mesmo do Corcel: desempenho com o motor 1.4, que se revelava insuficiente para o porte do carro. Mas sobravam qualidades como conforto de rodagem, silencio a bordo e economia de combustível, um dos principais destaques da linha Corcel na época. 1970_BELINA Em 1972 a perua ganhava a versão Luxo Especial, com painéis laterais imitando madeira jacarandá e pneus de faixa branca, ao melhor estilo das peruas norte-americanas. No ano seguinte, toda a linha passava por uma reestilização mais ampla, com visual inspirado no irmão maior Maverick: novos faróis e capô, grade dianteira e lanternas. A Ford também lançava na época a versão LDO, que seguia a nomenclatura usada nos Estados Unidos e era adicionada às versões básica e luxo. belina1973 Nos anos seguintes, a Belina passaria pelas mesmas atualizações visuais aplicadas à toda gama Corcel. Na linha linha 75, o modelo ganhou nova grade e faróis, a última mudança antes de uma reestilização mais pesada. Belina II A grande transformação viria em 1978. A perua estreava o visual mais reto e anguloso aplicado à toda a linha Corcel. As novas linhas foram desenvolvidas em túnel de vento, o que favoreceu a aerodinâmica e consequentemente o consumo. O estilo ficava bem mais atraente e atual, dando impressão até de um carro maior. belinaas Outras novidades incluíam para-brisa laminado, pneus radiais, coluna de direção retrátil e o grande vidro lateral traseiro, que podia ser dividido nas versões superiores. A Belina II, como passou a ser chamada, continuava com o econômico motor 1.4 que fazia até 12 km/l em média, mas em 1979 viriam o motor o 1.6 e o inédito câmbio de cinco marchas, que na época só a Alfa Romeo possuía. Em 1980 era lançado o motor 1.6 a álcool, que foi elogiado graças à facilidade nas partidas a frio e funcionamento mais suave que os concorrentes. belina-ii-1983-1201010241833491 Em 1981, a família ganhava leves atualizações visuais: novos para-choques, novos bancos com encostos, novo painel de instrumentos e suspensão retrabalhada com componentes emprestados do recém-lançado Del Rey. belina86 (2) A concorrência da Belina era limitada, já que a Chevrolet Caravan estava num segmento acima e a VW Variant II e Chevrolet Marajó não faziam frente ao modelo da Ford. O cenário favorável para a Belina só começou a mudar a partir de 1983, com a chegada da VW Parati, que embora não tivesse todos os atributos do Ford, era um carro de conceito mais moderno. Ford-Scala-1985-650x494_00002 Ainda em 1983 a Ford lançava a perua Scala, derivada do Del Rey. Popularmente conhecida como Belina Del Rey, ela trazia todo o luxo e refinamento presentes no sedã: revestimento de veludo, painel de instrumentos mais completo, relógio digital, ar-condicionado e controle elétrico dos vidros e travas. No visual, faróis iguais ao do sedã e na traseira lanternas bem maiores do que na Belina. Como o visual da Belina estava ficando datado novamente, a Ford promoveu uma outra reestilização na linha em 1985. Os destaques eram a frente mais inclinada, que contava com novos faróis em forma de trapézio, nova grade dianteira e painel de instrumentos herdado da versão básica do Del Rey. belina-4x41 No curto período entre 1985 e 1987, a Belina, assim como a picape Pampa, teve uma versão 4×4. Era algo inédito no segmento, mas que acabou sendo descontinuada por problemas de funcionamento e durabilidade. Quando o Corcel deixou de ser produzido em 1986, a Scala foi substituída pela Del Rey Belina. Na verdade era o mesmo carro, só mudando o nome, já que a Belina derivada do Corcel também estava sendo descontinuada. Belina_Ghia A trajetória da Del Rey Belina seguiu até 1991, quando deu lugar a um projeto mais novo, fruto da Autolatina: Ford Royalle, derivada do Versailles (um VW Santana com toques de Ford) e que nem de longe repetiu o sucesso da saudosa Belina.

Galeria: Ford Belina

Dica: use as teclas ← → para navegar

belina (2)

Dica: use as teclas ← → para navegar

Publicidade
  • Marcos

    Tive um Corcel 2 LDO 1984 1.6 ( se nao me engano tinha 84cv ) álcool fazia 10 km/l na cidade e em vigens 12,8 ele ja tinha o cabio de 5 marchas , foi meu primeiro carro, comprei em 1993 quando tinha 20anos , pagei na epoca 2000 dinheiros ( não me lembro se ja era urv,cruzado novo, velho cruzeiro etc … ) mais não era muito dinheiro pois esta era o resultado de ter juntado o dinheiro do meu estagio/tec.treiner de 1 ano.

    • AF1979

      Cruzeiro. O real só viria a existir em 1994, não sem antes haver um período curtíssimo de uma moeda chamada "cruzeiro real", em que três zeros foram cortados como parte da transição para o real.

      • Marcos

        hehe por isso falei todas as opções …
        o carro era muito bom rodei com ele 60k km ( tinha comprado ele ja com 90k km rodados )
        bateu o motor numa madrugada em cima da ponte rio niteroi …perrenge …
        'fiz' o motor e depois vendi pelos mesmo 2000 em 1995 quando comprei um gol 'quadradim' 1000 com 7k km rodados por R$ 6500 ( ai sim com certeza ja era Reais ) nessa epoca os carros da vw ainda eram confiaveis robustos e economicos…

        • Rogerio_R

          Putz! Tinha uma raiva dessa história de conversão de Cruzeiro Real para URV, tinha lanchonete que colocava na tabela de preços os valores dos lanches e bebidas em URV.

      • subzero99

        Era URV.
        Meu pai tinha uma Belina e um Del Rey ! Bons tempos aqueles !

        • AF1979

          A URV, com o nome dizia, era a Unidade de Referência de Valor, que era atrelada ao dólar e surgiu no começo de 1994, ficando alguns meses servindo de referência para os valores quando estes passassem para o real (que, como sabemos, não era mais um simples corte de zeros, mas uma mudança efetiva de padrão monetário). É mais ou menos o que ocorreria quase uma década depois na Europa com o euro, que também começou como um índice de referência para só depois ser moeda de fato.
          Logo, o que ocorria era a moeda ser o cruzeiro real, mas os preços estarem em URV, de maneira a ser necessário fazer a conversão, de forma a acostumar o povo ao novo padrão (menos dígitos para se lembrar, volta dos centavos como moeda corrente, âncora à época sendo uma moeda de outro país e por aí vai). Só em 1º de julho daquele ano é que os caixas soltariam as primeiras notas de real, que ainda conviveriam alguns meses com o cruzeiro real de maneira a fazer a transição ser o menos abrupta possível (ainda que as primeiras notas e moedas tenham sido desenhadas bem às pressas, com pouca variação de desenho e basicamente só mudando valores e cores nas notas ou diâmetro nas moedas).

          • Rogerio_R

            URV = Unidade Real de Valores. Lembro bem!!

            1 URV = CR$ 2800 (cruzeiros reais). Lembro bem que fui no banco Banespa trocar um montão de nota pra sai de lá com dois reais e uns centavos no borso.

            Se reclamam que hoje o din din não vale muito é porque alguns não viram nos anos 1980. Não valia nada! "Brasileiros e brasileiras!" hehehehehehe.

    • V8_sempre

      Meu pai teve um CORCEL 1980 STD. Realmente muito espaçoso e gostoso de andar.

      Mas foi qdo conheci a BELINA DEL REY SCALA de um vizinho…. Que descobri do que a marca americana era capaz. Só vi coisa parecida na época… No MONZA CLASSIC AT, de um tio !!

      Acho que foi a 1a vez que me impressionei com um carro… Que luxo… Que acabamento…

      Bons tempos da FORD !

      • dniro2011

        Pra mim a legítima SW da época, o texto ficou bacana a Belina era de encher os olhos mesmo, principalmente a Belina Del Rey, agora a maldita Variant essa era uma bomba, quando o motor esquentavá era o ar quente da época, sem falar da bobina que as a vezes tínhamos que parar e molhar um pano pra por em cima de tanto que esquentavá, pra mim a Vw naquele tempo só fabricava essas porcarias (tirando o Passat) e o povo dizia que era bom, ate hoje eu não entendo isso, graças a Deus que eu era criança naquele tempo.

    • César

      Tivemos uma Belina Del Rey ghia 89, parecida com esta da última foto, porém, era um azul mais claro e não tinha rodas de liga leve, na verdade eu aprendi a dirigir nesse carro, maravilhoso, macio, confortável, acabameneto de 1ª… Eu tinha o maior ciúme da nossa "jabiraca", saudades!!!

  • Anderson_Rez

    Bom carro para a época. Porém nunca andei em uma Belina. Só no Corcel II que meu pai teve em 1990. Era uma barca de tanto que balançava a suspensão. Bom carro!!!!

    • Pedro_Rocha

      Escreveu o que eu iria escrever: bom carro para a época.

      Meu pai comprou no começo dos anos 90 uma Belina Corcel II LDO ano 80 à gasolina e o carro era muito confortável e com bom acabamento, principalmente para uma família como a nossa que tinha saído de um Fusca 1300L ano 78. Como era um carro só para tudo, tinha desempenho razoável em estradas de terra, mas cantava pneu em subidas com facilidade e a temperatura do motor 1.6 subia muito nessas condições.

  • ze carlos

    os carros do passado muito melhor que os de hoje em termo de material, acabamento, construção do carros hoje as montadoras usam material de quinta categoria ainda cobram caro,

    • Pedro_Rocha

      Os carros tinham que ser melhores porque eram muito mais caros do que hoje. Antes do Plano Real qualquer carro 0km só era comprado pela classe média alta para cima porque conseguir financiamento em um banco era uma guerra.

      Hoje qualquer remediado compra carro de entrada 0km em 72 prestações e qualquer classe média compra uma picape/sedã médio em financiamentos semelhantes.

      • Castellano

        Pelo critério usado pelo governo da Exmª Presidenta Dilma, a classe média começa assim:
        http://opiniaoenoticia.com.br/brasil/politica/a-c

        por isso não existem mais pobres, e todos podem comprar sua casa própria e seu carro zero!
        Viva!

    • roberto nini

      os carros de hoje são mais seguros e muito melhor a belina 1 parecia uma funeraria

    • Fabio

      Numa época em que a Ford vende no Brasil carros alinhados com os países do primeiro mundo como Focus e Fusion (no caso do Fusion em relação à Europa estamos até adiantados) não acredito que tenha gente com saudades dos tempos de jabiracas terceiromundistas como Cordel II e Del Rey, com sua "moderníssima" mecânica dos anos 60…

      • Juscelino

        OLÁ! ME DESCULPE POR LEMBRAR MAS O QUE VALIA MUITO NAQUELE TEMPO ALEM DE TECNOLOGIA E POTENCIA, ERA A PERSONALIDADE DE CADA CARRO, CADA UM COM SUAS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS, E NÃO UM TUDO IGUAL COMO É HOJE, A MAIORIA TEM FRENTE E TRASEIRAS QUASE IDENTICAS, QUEM NÃO NOTA POR EXEMPLO UM MAVERICK TOTALMENTE CONSERVADO ANDANDO PELA RUA OU UM FUSCA? , NÃO TINHAM NADA A VER UM COM O OUTRO, CADA UM COM SUA CARA. QUANDO CRIANÇA , EU FICAVA SENTADO NO DEGRAU DO PORTÃO DE CASA BRINCANDO DE ADIVINHAR QUAL O CARRO QUE APONTAVA DISTANTE, NO COMEÇO DA RUA, SÓ PELO FORMATO DO FAROL OU GRADE, HOJE ISSO NÃO É MAIS POSSÍVEL NEM POR ADULTOS! ABÇS! jUSCELINO.

  • Cidadão

    Os anos 80 foi a década perdida até para os carros. As belinas dos anos 70 eram mais bonitas

    • Pedro_Rocha

      No Maranhão essa década de Sarney nunca acabou.

  • Sias

    Meu pai teve uma ano 83, azul glacial….foi um dos carros em que aprendi a dirigir. Fizemos inúmeras viagens, carro confortável e econômico. O chato era só o tamanho das portas porque de resto era muito boa. Saudade daquela Belina…..

  • dor_no_figo

    Meu pai teve um corcel e duas belinas. Nós somos em 3 irmãos, adorávamos viajar no porta malas, show de bola!

    • Pedro_Rocha

      Na mala e olhando para trás pelo vidro traseiro da Belina. Boas lembranças…

      • dor_no_figo

        Com certeza Pedro ! Fora o ronco do motor que se escutava no porta malas e esperando o momento da troca de marcha !

    • AMG

      Também tenho 2 irmãos e gostávamos muito de fazer isso também, quem não gostava? Meu pai teve uma Belina guia igual a azul da foto 5 na cor vinho era show.

    • Thiago

      Hoje em dia não pode. É cadeirinha pra cá, assento de elevação pra lá… claro que a segurança tem que vir em primeiro lugar, mas não deixa de ser muito triste isso…

  • ThiagoFiat

    Não era fiat então não presta, bom mesmo era MILLE.

  • expresso222

    Carros bons, econômicos, de manutenção fácil e barata (melhor motor à álcool da época), de desempenho razoável e extremamente confortáveis, tanto em relação ao acabamento, quanto à maciez ao rodar. Pecava apenas em algumas características do seu projeto antigo, como portas enormes (que por isto mesmo desalinhavam com facilidade e eram difíceis de abrir em vagas apertadas), pouco espaço para as pernas no banco traseiro e posição de dirigir ruim (pessoas altas sentavam de pernas abertas) e suspensão que arriava com pouco peso.

  • Leandro1978

    Meu avô teve duas belinas, uma laranja 74 e outra azul 76, compradas nos anos 1990, foram usadas nas idas à chácara que possuía no interior. Bastantes práticas e robustas.

  • power

    Cresci dentro de 6 belinas e 1 scala, pensa num cara fã da Ford e de belinas… meu pai…
    Realmente era um dos carros mais bem acabados da época… saudades da belinas…

    • Tarcisio

      Eu nasci e passei minha infância dentro de Belinas. Meu pai teve 10 ou 11, seguidas. Certamente é um carro que me deixa grandes lembranças, assim como para todos que já passaram por ela.

  • Heisenberg

    A Belina marcou um tempo no brasil. Foi a primeira station da Ford e a mais espaçosa por um preço "mais acessível".
    A versão 78 com o vidro inteiro na lateral não era bela, passava impressão de ser um carro frágil. Já vi inúmeras Belinas com a traseira caída (carroceria avariada por excesso de peso). Enfim, em 1979, os projetistas resolveram adicionar uma coluna na lateral partindo o vidro, antes inteiro, por duas partes com rebatimento no vidro dos passageiros do assento traseiro.

  • Chato

    O Corcel não foi um projeto conjunto entre a Ford e a Renault. Era um projeto da Willys baseado no projeto Renault que foi absorvido pela Ford qunado da compra da willys.

    • AF1979

      A plataforma do Corcel (tanto I quanto II) era a mesma do Renault 12. O que houve foi que a Willys teve autonomia para projetar uma carroceria própria, que saiu bem melhor que a do 12, coisa que a Ford repetiu a dose quando lançou o Corcel II.

      • Sias

        E olhando o "cofre" do motor do Renault 12 tem-se a impressão de estar olhando um Corcel.

        • Armeba

          Mas a verdade é essa. Era mecânica Renault, carroceria Willys e vendido pela Ford.
          E assim foi até 1997 com a saudosa Pampa que saiu de linha porque ia perder o motor e transmissão VW e suas linhas já sem retoques a muito tempo já não atraia mais compradores.

  • AF1979

    Bastante raro é o Corcel Van, basicamente uma Belina II com chapas no lugar de vidros laterais traseiros. Menos de mil foram produzidos.

  • Lamborghinista

    Pra mim o mais bonito é a Belina inspirada no Maverick (a 3ª foto, o vermelho). E eu nem sabia dessa primeira Belina, a de 1970, olhei agora e achei muito linda. Belina, assim como a Parati G1, é conhecida por muitos como a "velha guerreira".

  • AntonioJs

    Nosso primeiro e único Wood feito em 1972.

  • Peraldiano

    Tive uma Belina Del Rey ano 90 a álcool e posso garantir que em termos de conforto e qualidade não deixava nada a dever aos carros atuais.Era outra tecnologia,claro,mas dentro da sua proposta e do seu tempo era a melhor.Motor Renault,suspensão equilibrada,macia,itens de conveniencia,tudo acima do nível da época.Carrão para usar na cidade e viajar com a família sem medo.Hoje temos que nos conformar com SUV e outras latinhas cheias de bugingangas eletrõnicas…e caras!

    • LS7

      Em 90 a Belina usava o motor 1.8 VW.
      Porém nem se comparava à Caravan Diplomata 6 cilindros AT de 4 marchas.

  • Jay

    saudade do chiqueirinho hahaha

    aquela luz em forma de bolinha que tinha la atras me fascinava!

  • Rogerio_R

    Já ouvi falar que o Corcel II seria um projeto que sucederia o Maverick, tanto que há um espaço enorme para o tamanho do motor que o Corcel tinha. Mas com a crise da gasolina, não lembro direito pois era muito novo, mas foi por causa dessa crise que Landau, "Dojão", foram tirados de linha. Então a Ford para aproveitar o projeto e não perder dinheiro ao invés de substituir o Maverick preferiu substituir o Corcel com o projeto.

  • bedotRJ

    No meio da década de 80, os carros da linha Corcel / Del Rey já estavam dinamicamente defasados por conta de seus conjuntos mecânicos bem antiquados. Além do motor CHT 1.6 subdimensionado para o peso dos carros, eles eram molengões, privilegiando totalmente o conforto. Mas nessa área (conforto), eles ainda mandavam muito bem, dando um show em termos de acabamento e qualidade dos materiais. Eram a alternativa prá quem gostava do requinte dos Opala Comodoro e Diplomata, mas não tinha tanta bala na agulha.

    A Scala foi lançada em 1983 e era basicamente uma Belina de luxo. Assim como o Del Rey era um Corcel de luxo (mas com desenho diferente na traseira). Ambas, Scala e Belina, conviveram até 1986, com a Belina atuando no segmento de entrada (versões L e GL) e a Scala atuando no segmento top (versões GLX e Ghia). Quando o Corcel, acossado pela concorrência interna do Escort, foi descontinuado em 1986, a Ford optou por deixar a 'perua' da linha Del Rey com o nome mais conhecido e mais comercial. Na linha 1987, ao invés de Del Rey Scala, surgiu então a Del Rey Belina. Prá continuar atendendo o segmento onde o Corcel atuou no fim de sua vida, a Ford criou uma versão básica L tanto para o Del Rey quanto para a Del Rey Belina. O problema do mau desempenho só foi minimizado na linha 1989, quando os carros receberam o motor VW AP 1800.

    Meu convívio com esses carros foi efêmero. Meu pai só teve um modelo da linha, um Del Rey Ghia 4p 1988, ainda com motor CHT. Foi furtado com 4 meses de uso. Tinha o interior mais bonito e bem acabado da época. Recebeu o apelido de 'barangão', dado por minha mãe, que o considerava cafona – ela gostava mesmo é de Santana. Mais de 20 anos depois, hoje ela anda de Cobalt. Peixe morre pela boca, rs.

    • Otávio

      ahueauhehauehu,cobalt é mais feio que Del Rey

  • Rique_2014

    Guerreira! é o que eu digo sobre a Belina, foi uma boa perua. Representou o luxo para o segmento. Na primeira geração da Belina em 1968 ela iria ter a versão de 4 portas. Só chegou a ser testada como protótipo. O mercado brasileiro gostava mais dos carros 2 portas, pois eram baratos principalmente.

  • PG_Lara

    Ao longo dos anos 80 tivemos aqui em casa 2 Passat, 2 Caravan, Voyage e até um Escort, mas nunca uma Belina. Mas meu pai já rodou o país todo numa viagem que fez com minha mãe e um casal de amigos num Del Rey (foi do Rio até Belém pelo interior e foi descendo pelo litoral) e disse que era um carro mto confortável… ele fez essa mesma viagem num Passat. Com o Passat ele tb foi pra Argentina e Paraguay.

  • Roberto

    Em casa, tivemos várias, 72, 73, 74, 77, 79, 81, 83 e uma Scala vermelha metálica. Foi por muito tempo um carro referência…

  • Mauricio

    Ao meu ver, a Ford SCALA OURO e GHIA foi o veículo brasileiro mais requintado até hoje. Tinha poucos defeitos (só 2 portas), mas suas qualidades (como bancos com revestimentos refinados, painel completo, conforto de rodagem e silêncio, status tanto quanto o sedã Del Rey) eram inegáveis.
    Como dizia o chavão da Ford, era "questão de requinte".

  • Jacques

    Muito bom recordar a Belina e, consequentemente, o Corcel, mas a reportagem merece alguns reparos. O maior deles é não mostrar o interior da primeira versão e, da segunda, vermos apenas o painel. Outro aspecto importante é que a partida, mesmo melhor do que a de alguns rivais, deixava a desejar, embora fosse basicamente a que existe até hoje na maioria dos modelos, com o famigerado tanquinho de gasolina. Tive um Corcel II Luxo 1981, numa cor azul metálica muito bonita. O carro era muito bom, mas, quando descia a serra… Ao dar a partida de manhã, quem disse que o carro pegava? Ele ou o Fiat 147 que também tínhamos, tanto fazia. Nenhum dos dois pegava na praia. Era um tal de empurrar e fazer pegar no tranco. Depois da primeira, tudo bem, mas na manhã seguinte, toca a fazer força novamente! O problema estava no carburador de muitos veículos a álcool, que não conseguia se adequar a diferentes situações de pressão atmosférica. É bom rever esses carros, porém, sinceramente, nem dá para comparar com os atuais veículos. Tecnicamente, a evolução foi monstruosa em 30 anos.

  • Rogério

    Já andei numa Belina Del Rey, ultimo ano, 1991, já com motor AP 1.8… Era um dos carros mais confortáveis da época… como era macia e silenciosa, e aquela andava bem.. Meu pai teve um Corcel II 1980, no ano de 1986… eu tinha 10 anos, mas lembro de cada detalhe do carro. Era uma versão muito simples. Chamavam-o de Standart. tinha 4 marchas, e caia muito na subida… disseram que o motor era 1.4…. sim me parece que existiu Corcel II 1.4

  • gerson

    Tenho ainda a minha
    belina Ghia 91 verde perolizada que nunca sera vendida. Joia rara

  • Dan

    Engraçado o mercado dos automóveis…
    A Renault "entrou" no Brasil no chassi e motor do Corcel e Belina, mas usando a Ford como parceira tecnológica e comercial, como hoje ocorre na parceria Nissan-Renault (não esquecendo da Dacia) na parte de motorização e tecnologia de alguns automóveis da linha.

    Eu já andei no Del Rey que um familiar tinha comprado na época 0km (acho que era das últimas antes da autolatina)… mas só fui andar nela por volta de 1993 ou 1994, já bem usada por ele, mas era um carro grande e macio; era da cor dessa Belina azul-marinho e com esta ficou até quando não estava mais bem de saúde e apto pra dirigir, pois estava bem idoso.

    E com certeza, foi um dos melhores carros que a Ford teve aqui no Brasil. Outro dia vi uma Belina branca da primeira fase dela (1970), parada num mercado de bairro, mas tava judiada, porém quando saiu… ainda estava com o "coração" forte; só precisava de um dono que tivesse condições de restaurar a coitadinha; sem falar que muitas dessas hoje estão no ferro-velho, jogadas na periferia, mas só poucas delas estão em mãos cuidadosas e entusiastas.

  • jettapretom

    Quando eu era moleque tinha medo de carros da ford perder a roda( tres furos as rodas) .Coisa de menino…..hehehe

  • Tiago Buccini

    Pessoal do Carplace, um pedido.
    Por favor, coloquem as informações técnicas dos modelos, como potência, torque, desempenho, etc.
    Fica um artigo mais completo e mais interessante de ler.
    Obrigado. Abraço.
    Tiago Buccini.

  • saosao

    Meu pai teve uma Belina 1980 a álcool, lembro que o banco traseiro era bem macio e não precisava puxar o afogador, rs.

    Aliás, qual era a diferença entre a Belina e o Scala? A Belina era derivada do Corcel, e o Scala do Del Rey, mas o Corcel não era o antecessor do Del Rey?
    Ou seja, duas peruas do mesmo segmento (mas baseadas em carros distintos) sendo vendidas ao mesmo tempo?

    • Sias

      A diferença era no acabamento, sendo o Del Rey mais requintado. O interior era diferente também.

  • Celso

    Gostava muito da primeira série dos Corcel, que foi produzida até meados da década de 70. Era macio, confortável. Já o Corcel II era grande com um motorzinho. Era meio desproporcional.

  • ubiratamuniz

    Eu bem queria uma Belina II 1980 bege (igual à da propaganda), impecável e original, pra botar placa preta (e é um carro que não é muito bem quisto pelos antigomobilistas em geral).

    Motivo: De todos os carros que meu pai teve, foi o primeiro que eu era velho o suficiente pra me lembrar de andar nele.

    E tenho altas lembranças, do tempo em que não imperava o politicamente correto e pais colocavam os filhos no colo enquanto dirigiam pra deixar a molecada pegar no volante, e levavam a primaiada toda no "chiqueirinho" pra ir pra praia no FDS.

    Velhos tempos em que o limite de velocidade nas estradas era de 80 km/h e os postos não abriam aos finais de semana por conta da crise do petróleo.

  • mjprio

    Pra mim um dos poucos Ford " de verdade" . Luxuosos, bem construidos, robustos duráveis e econômico. representaram a mudança do panorama da industria, cada um ao seu tempo. Radiador selado, ventoinha eletromagnética, pacote luxo, e até o primeiro recall que ser não me engano foi pro problemas de alinhamento da suspensão.
    conseguiu o feito de ter um excelente motor a alcool, redondo e eficiente , apesar do projeto antigo.
    tenho um amigo que possui uma Belina L 1.8 89. O carro está inteirinho e mesmo tendo um civic, não se desfaz da velha guerreira, muito macia e econômica. O motor 1.8 AP dá conta do recado e pega fácil sem da gasolina do tanquinho.

  • AF1979

    E ainda hoje a Belina dá canseira em muito veículo mais forte que ela:

    [youtube mdim4q-hMMU http://www.youtube.com/watch?v=mdim4q-hMMU youtube]

    • Sam

      Kkkkkkkk. Tava procurando alguém q já tivesse colocado esse vídeo.

    • Roberval

      Soooooh BELINAAAA DO CAPETAAAAAAA

  • Castellano

    Estranho é olhar hoje em dia, um carro desse tamanho só com duas portas. A porta era gigante!

  • Loide

    Tive uma ano 1972 fui pro Rio 4 vezes, tranquilo. espaçosa confortavel.