CARPLACE

Avaliação: Peugeot 308 1.6l 16v FlexStart – Agora, sem tanquinho

Avaliação Peugeot 308 1.6

Por Alexandre Akashi

A Peugeot saiu na frente de todo mundo ao adotar em série a tecnologia bicombustível (etanol/gasolina) que dispensa o uso de tanque auxiliar na partida a frio, o conhecido tanquinho de gasolina que a grande maioria dos motoristas esquece de abastecer e, quando mais precisa, pronto, quase 1 hora para ligar o carro em diversas tentativas. Confira a avaliação do modelo.

Peugeot 308 1.6

A novidade chega no novo Peugeot 308 1.6l 16v FlexStart, evolução do 307, que ganhou robustez e novo motor, agora com 122 cv de potência a 5.800 rpm no etanol e 115 cv a 6.000 rpm na gasolina. Essa combinação (FlexStart e mais potência com etanol) resulta, claro em um veículo mais econômico.

Motor 1.6 FlexStart do Peugeot 308

Com o motor 1.6 litro, a Peugeot oferece duas opções de acabamento: Active (R$ 50.200) e Allure (R$ 53.990). Em comum, itens como ar-condicionado (digital e dual zone no Allure), direção eletro-hidráulica, airbag duplo frontal, freios ABS com REF e AFU, computador de bordo, banco do motorista com regulagem de altura, volante em couro com regulagem de altura e profundidade, vidros elétricos dianteiros e traseiros seqüenciais e com anti-esmagamento, retrovisores elétricos, Rádio CD Player MP3 com comando na coluna de direção e roda em liga leve de16 polegadas.

Dianteira do Peugeot 308

A Allure (a que testamos) traz ainda faróis de neblina dianteiros, conexão USB para iPod/MP3 Player e entrada AUX, e Bluetooth, acendimento automático dos faróis, limpador do para-brisa automático, grade do para-choque dianteiro com frisos cromados, iluminação “lead me to the car” e “follow me home” (acendimento dos faróis por um tempo determinado), retrovisor interno eletrocrômico e apoios de braço individuais nos bancos dianteiros.

Avaliação - Peugeot 308 - Acabamento interno

As melhorias estéticas do 308 sobre o antecessor são fáceis de ver, apesar de o 307 ser um modelo bem atraente. Em suma, a Peugeot pegou o que era agradável e melhorou. Algo difícil de ver em algumas montadoras, que insistem em enviar para o Brasil projetos de design com gosto duvidoso. Ao menos a Peugeot não sofre desse mal.

O sistema FlexStart funciona a contento. É abrir a porta e pronto, as velas começam a aquecer o etanol na flauta de combustível. Seis segundos bastam para que o combustível atinja a temperatura ideal. Durante a semana de teste, não houve falhas, o motor pegou na primeira tentativa em todas as partidas, inclusive em uma depois de deixar o carro no sereno frio e úmido até as 5h da manhã.

Traseira do Peugeot 308

Com câmbio manual de cinco velocidades, o novo motor 1.6 litro mostrou que está um pouco mais áspero do que o antecessor. Pode ser calibração por conta do novo sistema de partida sem tanquinho, mas pode ser por causa das mudanças que a Peugeot fez, uma vez que este novo motor conta com sistema de comando de válvulas variável (VVT), bomba de óleo variável, e componentes low friction (pistões e cilindros), que usam material de baixo atrito.

Meio incoerente essa sensação de aspereza com tantas inovações, mas foi esta a impressão de deixou. O carro parece estar, também, um pouco mais ‘amarrado’, com forte freio motor. No entanto, os resultados de consumo obtidos durante a semana de teste foi satisfatória, com mais de 11km/l na estrada e cerca de 8km/l na cidade, com trânsito moderado-leve.

Conforto

Acabamento interno do Peugeot 308 1.6

Por dentro, o 308 apresenta boa qualidade. É certo que os bancos podiam ter opção de couro, item de série na top de linha, o 308 Feline 2.0 Auto, mas o tecido é bem agradável e os bancos oferecem boa sustentação ao corpo.

Com regulagem de altura e profundidade no banco do motorista e volante, fica fácil encontrar boa posição de dirigir, se bem que no 308 a sensação é de estar mais sentado do que no 307 (o assento é mais alto), o que facilita a entrada e saída do carro.

Peugeot 308 1.6

Esta não é minha posição favorita, mas admito que ajuda bastante na visibilidade e, como a linha de cintura é alta, assim como a traseira, a posição beneficia aqueles que não são muito altos.

Quadro de instrumentos do Peugeot 308 1.6

O quadro de instrumentos e o computador de bordo são padrões da marca, assim como o grau de amortecimento da suspensão, um pouco mais rígida do que a concorrência, o que torna o carro muito agradável em viagens por estradas bem conservadas, porém ruidoso nas esburacadas ruas de São Paulo.

As rodas de 16 polegadas são elegantes e calçadas por pneus radiais 205/55. A direção com assistência eltro-hidraulica é muito boa, leve nas manobras e precisa em velocidade.

Em movimento

O motor 1.6 litro em um carro do tamanho do 308 quase faltou. Quase se não fosse o rearranjo para 122 cv/115 cv (etanol/gasolina), com torque na ordem de 16,4 kgfm/15,5 kgfm a 4.000 rpm (etanol/gasolina). Faltou à engenharia da Peugeot reduzir a faixa de torque máximo para algo mais próximo dos 3.000 rpm, para ganhar agilidade de economia.

A transmissão de cinco velocidades dá conta do recado, mas já está na hora de modernizar e passar a oferecer uma automatizada de dupla embreagem. Ai sim haverá muito mais valor. Mas, entre as opções de mercado, o 308 se sobressai, pois oferece ao consumidor uma relação custo-benefício interessante (não digo que é boa pois acho R$ 50 mil em um hatch médio muito dinheiro).

Peugeot 308 1.6

Na cidade, mostrou ser muito agradável a condução, tendo como ponto forte o porte. São 4,276 metros de comprimento, sendo 2,6 metros de entre-eixos, com 1,815 metro de largura e quase 1,5 metro de altura. O porta-malas acomoda 430 litros e o tanque de combustível, 60 litros. Pesa 1.380 kg.

As trocas de marchas são precisas, e o câmbio está bem relacionado com as faixas de torque e potência, mas ainda assim poderia melhorar. O conjunto mecânico como um todo poderia ter passado por upgrade e não apenas design e motor. Mas já é um começo.

Na estrada roda muito bem, silencioso e preciso, e mesmo com boa altura, o conjunto rodas/penus/suspensão segura bem em curvas.

Apenas uma breve observação, que durante a semana, em um único dia, uma luz de advertência surgiu no painel, um triângulo com ponto de exclamação no centro. Ao consultar a Peugeot, fomos informados de que se tratava de um alerta do sistema de aquecimento do combustível do FlexStart. A luz apagou sozinha depois de três partidas. Algum mal funcionamento que o próprio carro fez questão de corrigir sozinho. Vale a pena ficar atento.

Fotos: Peugeot 308 1.6

Publicidade
Publicidade

117 comentários

  1. CHL

    26 de agosto de 2012 at 16:08

    Uma coisa não dá para negar, os franceses sabem desenhar carros. Na minha opinião são poucas as exceções de marcas francesas que não são bonitas. É uma pena o alto custo de manutenção e o baixo valor de revenda deles. Se for para uma pessoa que fique com o carro entre 3 e 5 anos acaba que esta desvalorização é menos sentida no bolso, mas se for para alguém que por necessidade e/ou capricho troque de carro anualmente, ter um francês é sinônimo de prejuízo certo.

    • Xonadoporcarro

      26 de agosto de 2012 at 21:02

      Concordo plenamente. Tive um 307 1.6 por 5 anos. Carro muito bom. Vendi exatamente pela metade do preço que comprei.

      • Cristiano_RJ

        26 de agosto de 2012 at 21:16

        Vendeu bem!

      • H_Joe

        26 de agosto de 2012 at 21:23

        Concordo com o amigo Cristiano.. Vendeu bem.

      • CHL

        26 de agosto de 2012 at 21:37

        Os comentários dos amigos abaixo te motiva a ter alegria ou tristeza?

    • V8_sempre

      27 de agosto de 2012 at 15:58

      Franceses ousam bastante… Dificilmente copiam estilos concorrrentes !

      Como é normal nesses casos… As vezes sai umas coisas muito estranhas… As vezes, sai coisas lindas ! E isso varia de pessoa pra pessoa !

      Agora… Originais… Eles são ! E isso é uma tremenda qualidade !

    • paulo

      27 de agosto de 2012 at 18:00

      Quem falou para você do alto custo de manutenção? o 308 foi eleito o menor custo com relação às peças em uma simulação de batida. Ganhou do Cruze Sport, Focus, i30 etc…Hoje a peugeot tem preços fixos de revisão ( 308 sai a de 10.000 por R$320,00). Esse carro hj é o melhor com relação a equipamentos e preço no brasil ( que ainda acho elevado)

      • CHL

        27 de agosto de 2012 at 23:07

        Não falo de custo de reparação, aquele catalogado pela cesvi (acho que é esse o nome do orgão), falo o de manutenção mesmo, de trocar velas, de trocar amortecedores, se tiver que arrumar uma caixa de cambio, etc. Esses são custos não inclusos na revisão "preço fixo". Comprei um 307 2.0 automático zero em 2010 e com menos de 20.000km já tinha gasto com manutenção preventiva e reparativa mais de R$2.300,00.

        • paulo

          28 de agosto de 2012 at 11:02

          Tenho um fiesta rocam 1.0 2009/2009. fui fazer revisao de 30.000 por tempo, pois meu carro estava com 24.000. Sabe quanto ficou a revisão dele? Módicos R$ 1980,00. Revisão + peças desgastadas. Tinha um 207 passion AT 09/10 e na revisao de 10.000 gastei R$180,00 e o carro nunca deu defeito sendo que tambem nao precisei dar reparo em nenhuma peça. Vendi este carro por 35 mil (paguei 47) e comprei o 308 1.6. Acabamento e conforto dele é absurdo. Mtooo melhor que os hatchs das 4 grandes. Claro que o preconceito existe com as francesas. Preconceito este imposto exatamente pelas 4 grandes para vender GOLS, Palios etc… Compare o 207 (mesmo que ultrapassado) com o GOL.. 207 acaba com ele (pena q o tamanho nao ajuda).

    • Pablo

      29 de agosto de 2012 at 20:30

      Engraçado é que a única que não soube desenhar os carros que vende aqui (a Renault), é a que mais vende…

  2. H_Joe

    26 de agosto de 2012 at 16:41

    Olha que carro interessante repleto de equipamentos e a um preço muito justo, dada a nossa realidade.

    Lamenta-se apenas o "estigma" que as francesas tem no Brazuka….

    • afonso200

      26 de agosto de 2012 at 19:11

      que volante bem "morto" sem graça

      • H_Joe

        26 de agosto de 2012 at 19:16

        Não considero o fator determinante para avaliar o veículo…

        Mas gostos se definem nos detalhes também…

        • dougkmt

          26 de agosto de 2012 at 19:38

          Já que vc tocou no assunto preço, tem um erro na matéria: a versão Allure custa 52.990 de acordo com o site da Peugeot.

          Outra retificação (mas corrijam-me se estiver enganado) é que o peso desta versão é de 1.320kg. 1.387kg é o peso da 2.0 Feline AT.

          • H_Joe

            26 de agosto de 2012 at 21:23

            Ora, obrigado pela informação extra! :)

      • D7V5

        27 de agosto de 2012 at 17:24

        É mesmo. Poderia ser mais ousado. Mas os custos não permitem ;)

  3. Gui.A.

    26 de agosto de 2012 at 16:46

    Eu particularmente acho esse carro muito bonito. Na classe dos hatches médios, ele é o que mais me agrada pelo designe e pelo custo beneficio ( dada a nossa realidade ) como diz "H_Joe"

  4. JP Tavares

    26 de agosto de 2012 at 17:10

    50k em um hatch médio é muito dinheiro??
    O que dizer do Cruze Sport6 a partir de 60? rsrs

    Eu sei que ele é bem equipado, mas o 308 pela faixa de preço, vem bem recheado até, e na minha opinião, tem um visual mais atraente que o Chevrolet…

  5. Stark

    26 de agosto de 2012 at 17:15

    Olha que equipamento interessante que as montadoras estão abandonando, é a Saída de Ar Condicionado para os ocupantes traseiros. Muito importante.

    Gostei do nível de equipamentos desse carro mas o motor 1.6 16V é pouco para o carro devido a anemia que é abaixo das 3000 rotações (tem cidades que eu mesmo quase nao uso mais q 3000 rotações) e sistema VVT melhora mas não faz milagres mesmo.

    Esses 11 na Estrada com Etanol foi um excelente consumo!!

    • Cristiano_RJ

      26 de agosto de 2012 at 20:45

      O motor 1.6 16V é apenas suficiente para aqueles que não priorizam condução esportiva (mais de 50% da população); mas não deixa o carro lerdo não. Sei disso porque tive um 307 1.6 (113 cv) e na época nunca me ressenti de desempenho. Se esportividade for uma prioridade, a versão Allure 2.0 não é tão mais cara ( R$ 2.810).

      • Calferr

        27 de agosto de 2012 at 13:02

        Concordo ! Lento o carro não é não. Já tive um 307 1.6 que andava bem sim. Lógico, quem quer andar muito, deve optar pela versão 2.0. De qualquer forma acredito que a fórmula de disponibilizar dois motores é acertada.

        • Ricardo

          27 de agosto de 2012 at 14:10

          Lembrando que esta pra sair a versão Turbo.

          • Cristiano_RJ

            27 de agosto de 2012 at 19:16

            Esta vai ser show de bola. Se eu tivesse que comprar um 308 seria esse 1.6 turbo!

          • SP2

            27 de agosto de 2012 at 20:29

            (2) Um THP nesse 308, se tiver preço, será a melhor opção de sua categoria e minha provável escolha também.

    • odirrr

      27 de agosto de 2012 at 10:01

      O 1.6 16v é apenas suficiente, que é condição para a versão de entrada. Para mais potência existem as versões mais tops, não tem segredo.

      É o que eu questiono em muitos casos, como foi no caso do Grand Siena, onde falavam que o 1.4 não servia para o carro; serve sim para quem está disposto a pagar o valor de entrada.

      Eu concordaria se tivessem colocado o 1.5 novo nesse 308. Aí sim seria pouco motor mesmo para uma versão de entrada.

      • V8_sempre

        27 de agosto de 2012 at 15:59

        No COBALT… A verdade é que o 1.4 tbem atende bem ! Aceleração em 13,5 s no 0-100km/h ! O modelo é grande, mas não é pesado !

        Ainda mais, se considerando que vivemos num universo de sedans 1.0 por ai !!

        Ou seja, o problema não é o 1.4… O problema é que há concorrentes com motores melhores sem cobrar por isso !

        • pedro37

          28 de agosto de 2012 at 16:39

          o Versa faz em 11 seg e retoma MUITO melhor.
          se o Cocobalt eh feito pra carregar peso (porta-malas grande e interior generoso), deveria sim ter um motor mais potente.
          potencia eh sinonimo de segurança em muitos casos.
          abraço

  6. msbiel13

    26 de agosto de 2012 at 17:41

    50 mil em um hatch médio é mto dinheiro ??? , magina se o kra pilotar um sonic então kkkkk

    • Elcamino

      26 de agosto de 2012 at 17:45

      ?????? Sonic???

    • Cristiano_RJ

      26 de agosto de 2012 at 20:48

      Pois é, quando li esta frase passaram pela minha cabeça não só o Sonic, o New Fiesta, o novo C3 e o Honda Fit, mas também me dei conta de que fora o Tiida, esse é um dos hatches médios mais baratos do mercado…

      • Sedici

        27 de agosto de 2012 at 14:07

        Sem contar que foi um caso que não recebeu um upgrade tao grande no preço em relação ao modelo anterior, como aconteceu com o Cruze e o Bravo.

  7. Elcamino

    26 de agosto de 2012 at 17:46

    tem mais potencia que o Golf GT kkk

    • H_Joe

      26 de agosto de 2012 at 19:31

      E praticamente os mesmos equipamentos…

      :S

      • H_Joe

        26 de agosto de 2012 at 22:52

        Também é verdade… E nem o acerto quase perfeito do Golf entre motor e câmbio…

      • GT4

        26 de agosto de 2012 at 22:54

        Tem mais potência, mas não tem mais torque que o Golf GT. Não estou defendendo o Golf que é um carro bem ultrapassado aqui no Brasil. Mas ficar simplesmente só comparando potência, é coisa de quem realmente não entende sobre motores.

        • H_Joe

          27 de agosto de 2012 at 4:12

          Não querendo advogar para nosso amigo Elcamino, creio que ele apenas está criticando o motor que VW colocou no Golf IV,5… Querendo dizer que um motor 1.6 consegue ter mais cavalaria que um motor 2.0, o que francamente escancara a idade criticado 2.0 VW.

          E indo mais além, não creio que dizer que "ficar simplesmente só comparando potência, é coisa de quem realmente não entende sobre motores" seja correto NESTA ocasião, pois foi apenas dito "tem mais potencia", não disse nada além da verdade, nem mencionou torque, e nem disse que é um motor melhor, disse apenas que tem mais potencia… Não se pode mais elogiar a potencia de um motor perante outro sem ter que dar um parecer técnico para não deixar ninguém pensando que "não entende de motor"?

          E não se sinta agredido..

          • V8_sempre

            27 de agosto de 2012 at 16:09

            O VW 2.0… Segundo testes reais e padronizados da 4R…

            Faz o JETTA levar uma surra de seus concorrentes em desempenho ! Mas proporciona boa economia de combustível !

            Aparentemente… A GM seguiu a receita com o Econo.flex 1.8 de 108 cv !

          • Cristiano_RJ

            27 de agosto de 2012 at 18:49

            Disse tudo!

          • Stark

            28 de agosto de 2012 at 15:57

            Mas quem explica o Golf 2.0 quando abastecido com álcool ir de 0-100 em 10,5 segundos e ter uma boa velocidade final? Digo isso pois não sei como somente com esse simples 2.0 8v consegue ter desempenho à nível dos concorrentes.

          • Cristiano_RJ

            28 de agosto de 2012 at 21:20

            Onde que ele acelera em 10,5s?

          • Stark

            28 de agosto de 2012 at 22:54

            Dirija um abastecido no álcool e cronometre!

            ou então acesse no mínimo 3 videos diferentes no Youtube. E olha que botei 10,5 segundos porquê o máximo que consegui pessoalmente foi isso, pois a própria VW anuncia 9,7 no álcool e no Youtube tem casos de 10 segundos.

            Não sei como mas existe até um boato que esse motor depois que virou flex não pulou só pra 120cv.

          • Cristiano_RJ

            28 de agosto de 2012 at 23:36

            Cara, vai me desculpar, mas não considero medições caseiras confiáveis. Os testes da imprensa especializada do Golf 2.0 com álcool indicaram os seguintes resultados:

            - Golf 2.0 A/T = 12,4 s
            - Golf 2.0 M/T = 10,7 s.

            Ou seja, não deixamos claro sobre qual versão estávamos falando, se a manual ou a automática. Se for o primeiro caso, bem, então o valor que você obteve está coerente sim.

          • Stark

            29 de agosto de 2012 at 21:29

            Sim sim foi a manual! Tô dizendo isso pois fazer 10.7 segundos somente com 120cv sem nenhuma tecnologia é um número até bom (apesar que aqui pra baixo estavamos conversando sobre esse motor ser mais anabolizado, leia depois).

            Mas eu acredito nisso, que o Motor dele não tem só 120cv nunca!

          • H_Joe

            29 de agosto de 2012 at 2:42

            Tem essa lenda automotiva sim no youtube, testado em dinamômetro batia de 127 a 128cv no etanol… Mas eu não tenho opinião formada neste quesito…

          • Stark

            29 de agosto de 2012 at 21:24

            Existe essa lenda e ela é forte e comum na VW! A UOL testou esses dias o Jetta TSi e acredita que em stock todo original com gasolina comum tava dando 215cv?? Eu mesmo sou um que afirmo!! Nunca que aquele carro com aquele todo desempenho ia ter só 200cv (algumas outras marcas na realidade é até menos do que o estipulado)

            E com o Jetta Comfortline e Golf 2.0 Flex a história é a mesma, o EA113 não está gerando só 120cv, e os 127~128cv que estão testando é na roda!

            Eu acho que deveria ser feito um teste minucioso fazendo o teste diretamente no cubo da roda ou quem sabe até direto no motor pois o Jetta Comfortline com todo aquele peso tem um desempenho muito aceitável e eu também tenho certeza que aquele motor não tem só 120cv.

            Só queria entender porquê a VW anuncia a potência abaixo da realidade. Ou então ela vai aplicando melhorias nesses motores e simplesmente não anuncia e nem preocupa em alterar o dado da potencia na especificação.

          • H_Joe

            30 de agosto de 2012 at 0:19

            Quanto ao Jetta as vezes a potência dele realmente parece ser mais elevada.

            Agora eu acho que a VW faz bem de anunciar menos, melhor que a Hyundai que anuncia a mais… Não é? haha

          • H_Joe

            28 de agosto de 2012 at 21:51

            Se for real o dado é um bom desempenho! Mas o mundo está indo na contra-mão desse conceito amigo… Motores menores e mais potentes… Se um 1.6 pode gerar 122cv no etanol, um 2.0 que gera 120cv (mesmo considerando o bendito torque cálice sagrado dos defensores deste motor) deveria ter mais potência… Esse é um bom motor, mas é também um retrocesso.

          • Stark

            28 de agosto de 2012 at 22:59

            Sim, depois veja meu comentário acima e é dificil um Golf no Etanol fazer 0-100 em mais de 11 seg, a média é 10,5 segundos testada em GPS e cronometro.

            Agora se no Brasil tivessemos combustível de qualidade e viesse em massa os motores sobrealimentados e com injeção direta e tivessem real economia no combustível, garanto que ninguem ia querer o 2.0.

            Eu vejo que a VW está certinha em não mexer nesse motor no Brasil pois até em consumo consegue ser melhor que os "modernos". Simplesmente teste um pessoalmente ou então veja as avaliações dele ou do Jetta Comfortline e comprove.

            Essa corrida no Brasil pra ver quem extrai mais e mais cavalos só tá servindo pra fazer motor bater pino e ficar bebendo muito combustível. Não sou a favor de motores aspirados com muitos cavalos mas de motores sobrealimentados. Pena que a realidade não permite manter um motor desse em qualquer canto desse Brasil.

          • H_Joe

            29 de agosto de 2012 at 2:41

            Acredite, eu entendo perfeitamente seu ponto. Com esse 2.0 o carro é confortável de guiar, só peca pela morte do motor em giros mais elevados, mas não é fraco como sugerem 90% dos comentários por aqui… Se a VW o colocou no Jetta Comfortline é por que atende as necessidades básicas do condutor… Eu tive um New Beetle que usava salvo engano este motor, só que somente a gasolina com 116cv, olha nunca me deixou na mão e o carro era muito gostoso de guiar…

            Mas a pergunta que eu faço, até quando vamos viver do "bom e velho"? Em algum momento o Brasil vai ter que superar este momento, e a mudança está ocorrendo agora…

          • Stark

            29 de agosto de 2012 at 21:22

            Quando os modernos realmente superarem os antigos em desempenho, consumo e preço de manutenção, aí sim ninguem ia preferir o bom e velho, não concorda?

          • H_Joe

            30 de agosto de 2012 at 0:20

            Concordo sim amigo! Muitos sonham com modernidade, mas não podemos esquecer a nossa realidade nunca..

        • Brazuca

          27 de agosto de 2012 at 15:52

          Potência nada mais é que torque x rotação. O torque só indica qual a potência disponível a uma rotação mais baixa…

  8. Danilo

    26 de agosto de 2012 at 17:48

    Olha, comprei um recentemente e o VVT faz diferença tremenda no torque. Saí de uma Focus 2.0 e não me arrependo, o custo-benefício é matador. O carro é econômico, silencioso, espaçoso (porta-malas maior que o Focus) e ainda por cima chama a atenção pelo belo design. Estou muito feliz com o carro!

  9. brunocarros

    26 de agosto de 2012 at 17:52

    Até gosto do carro, mais se fosse pra comprar, eu levava o 2.0!

    • Cristiano_RJ

      26 de agosto de 2012 at 21:19

      [2]

      Uma pena a Peugeot não disponibilizar no Brasil a versão top Feline com câmbio manual, como na Argentina, porque aquele automático ninguém merece!

  10. carlao GTS

    26 de agosto de 2012 at 18:18

    esse carro é gigante pra esse motor … numa '' carroceria '' certa deve ser o máximo.

  11. Wellington_L

    26 de agosto de 2012 at 18:40

    Ao Pessoal do Carplace: A citada tecnologia que dispensa o uso do famigerado "tanquinho" foi introduzida – junto a um automóvel produzido em série – pela Volkswagen do Brasil no ano de 2009 através de seu específico modelo Polo E-Flex♦.

    Esta versão do hatchback compacto "premium" é descontinuada… No entanto, a técnica em questão seguiu e foi posteriormente agregada à variante BlueMotion.

    • Leandro1978

      26 de agosto de 2012 at 18:54

      Eu fiquei com esta dúvida. Mas talvez o 308 seja o primeiro a ter em todas as versões, sei lá.

    • V8_sempre

      27 de agosto de 2012 at 16:03

      Realmente a tecnologia já está disponível há muito tempo para os fabricantes ! Por Bosch, MM, etc… E estreada pelo POLO.

      Assim como o sistema FLEX, foi desenvolvido, na verdade, lá no meio dos anos 90 ! Se a memória não falha, a cobaia foi um OMEGA !

      Pq a demora na implantação ? Custos e testes de confiabilidade !

      • Wellington_L

        27 de agosto de 2012 at 20:25

        É verdade…, uma unidade do sedã Chevrolet Omega serviu como laboratório para o projeto "Flex-Fuel" da Bosch do Brasil. A empresa iniciou suas pesquisas no princípio dos anos de 1990 e, em 1994, já havia uma funcional máquina-protótipo de quatro cilindros em linha com 2.0 litros de cubagem – estabelecida sobre a velha base "MonzaTech"…, é claro.

        De qualquer forma, todos nós sabemos que o primeiro veículo produzido em larga escala a ter recebido o método foi o Gol Power 1.6 Total Flex no período de 2003 – a partir da engenharia Magneti Marelli…, diga-se de passagem.

        Adendo: Internacionalmente, a General Motors perfez-se deveras na montadora que implantou o sistema de queima bicombustível na década de 1990 – lembrando que o inicial E85 demonstrava-se bem distinto frente aos princípios do engenho que foi criado em solo brasileiro sob a política de combustíveis e misturas que seriam utilizados.

        • dncmotors

          28 de agosto de 2012 at 13:57

          Belo coment.

          Mas o 308 é um ótimo carro para seu devido fim.

      • @undefined

        29 de outubro de 2012 at 15:43

        O Polo E-Flex foi uma série especial com produção limitada, o 308 é de fato o primeiro modelo a contar com o sistema de série (vale observar que o CarPlace colocou como Peugeot 308 1.6l 16v FlexStart como se FlexStart fosse o nome do motor -que na verdade o nome do motor é EC5- o FlexStart é marca pertencente a Bosch)…

        Alem disso a pesar de em teoria ser o mesmo sistema em ambos os carros, o FlexStart presente no 308 é diferente do presente no Polo, enquanto no do Polo você tinha que por a chave no contato e pisar no pedal para ativar o aquecimento, o sistema presente no 308 ativa eletronicamente e remotamente a partir do destravamento do carro.

        Quanto a disponibilidade do produto, apenas a Bosch conta com um sistema disponível no mercado, as demais apenas apresentaram o projeto e conceito, porém nenhum produto neste sentido foi lançado, sendo que a Magnet Marelli e a Continental são as duas empresas que estão mais próximas de lançar um produto no mercado (Sendo que a Magnet Marelli chegou a anunciar que disponibilizaria seu sistema de partida a frio sem necessidade do tanquinho ou FlexStart -só que relembrando, o FlexStart é o nome do produto da Bosch- no Jac J5 a partir deste segundo semestre de 2012, mas como não foi dito mais nada a respeito acho que esse projeto foi adiado)

  12. Felix_S

    26 de agosto de 2012 at 18:41

    Eu achei o espaço no banco traseiro muito apertado!

    • H_Joe

      26 de agosto de 2012 at 19:32

      De acordo, um hatch menor como Punto tem espaço semelhante.

    • dougkmt

      26 de agosto de 2012 at 19:41

      Isto procede! Pra quem precisa de um carro pra família, vá de sedan!

      • Cristiano_RJ

        26 de agosto de 2012 at 21:22

        Só observando que nem sempre a versão sedan oferece mais espaço que seu hatch correspondente, como é o caso do Focus e do Cruze, por exemplo. Pessoalmente, prefiro carroceria hatch, ainda que haja perda de volume no porta malas, há ganho na versatilidade de carregamento. Mas no caso específico deste Peugeot, a versão sedan é muito mais espaçosa mesmo.

        • H_Joe

          26 de agosto de 2012 at 21:27

          No Cruze principalmente o espaço traseiro é igual no Sedan e no Hatch, o que aliás achei uma boa sacada para quem viaja com mais de duas pessoas e não é muito chegado a sedans.

          • dougkmt

            26 de agosto de 2012 at 22:02

            Vcs têm razão! Acabei pensando no 308/408, mas existem estes casos que o espaço traseiro é o mesmo!

            Aliás, prefiro hatch's também!

    • Cristiano_RJ

      26 de agosto de 2012 at 20:49

      Também achei, quando fiz o TD há alguns meses atrás. Mas para o motorista e o carona, o espaço dianteiro é excelente; assim como o porta malas.

  13. Fábio Ribeiro

    26 de agosto de 2012 at 21:04

    não gostei, não gosto , não gostarei… kkkkkkkkkkkk

  14. CHL

    26 de agosto de 2012 at 21:39

    Desculpe, dos amigos acima e não abaixo.

    • Ricardo

      27 de agosto de 2012 at 14:07

      também acho que vendeu bem minha montana tinha 4 anos de uso e vendi por 24500 paguei 45500.

    • D7V5

      27 de agosto de 2012 at 17:23

      O amigo de baixo acha o desenho dos franceses polemico e a desvalorização acima da média, uma certeza ;)

  15. Daniel Ramos

    26 de agosto de 2012 at 23:15

    Comprar um peugeot é não se importar com a "perda" de valor na hora da revenda, não se importar com peças originais, caso quebre alguma…enfim, ou seja, carro aqui ja é caro e ainda perdemos um P* valor na hora de revende-lo…tem que pensar antes de comprar um carro aqui que não seja GM, VW, FIAT ou FORD.

    • Cristiano_RJ

      27 de agosto de 2012 at 19:02

      Daniel, entendo o que você quer dizer e concordo em parte. Agora, temos que considerar que pessoas diferentes possuem escala de valores diferentes. Para uns o fator "bolso" pode ser o mais relevante na decisão de uma compra. Para outros, o fator "design" é o que pesa mais. Existem aqueles que precisam de espaço interno ou porta malas espaçoso. Se por um lado existem os mais exigentes, que gostam de um ambiente sofisticado, por outro lado tem os que privilegiam esportividade em detrimento a um acabamento de primeira ou itens de conforto… Se não fosse assim, não teríamos variedade tão grande de opções, cada uma conquistando seu espaço…

    • Cristiano_RJ

      27 de agosto de 2012 at 19:03

      … agora, meu pensamento é que seja qual for sua prioridade, compre o carro pra você! Não acho razoável abrir mão daquilo que você considera importante em nome de uma futura suposta boa revenda. Isso sem falar que em muitos casos, essas marcas boas de revenda usualmente cobram um preço na hora da aquisição. É o que me bato com muitos por aqui quando dizem que determinado modelo de uma certa marca líder em seu segmento é mais negócio só porque desvaloriza pouco, mais aceitam pagar R$ 10 mil a mais na hora da compra. De que isso adianta? Não perde na revenda, mas já perdeu logo de cara. Aí, "neguinho" decide comprar uma versão de entrada, no mesmo valor do concorrente, só que infinitamente inferior em equipamentos e itens de segurança. Sabe do mais? O que você disse acima é exatamente o que as citadas marcas, as Quatro Grandes, adoram que se dissemine e se perpetue em nosso mercado. Sabe por que? Assim elas mantém o status quo, em que nós aceitamos pagar caro por carros defasados e pelados… tudo em nome da segurança de uma boa revenda…

      • Daniel Ramos

        27 de agosto de 2012 at 19:19

        Concordo com você. Mais pelo menos no meu caso, o valor de revenda "pesa" muito na hora de comprar um carro, claro que dependendo da minha "Opção", dependendo do carro, esse "item" não me faz desistir da "determinada" compra, mais enfim, ai vai de cada um, de cada pessoa, como voce disse…

    • pedro37

      28 de agosto de 2012 at 16:53

      ta ai o velho preconceito…olha, pelo menos aonde eu moro (SC), os franceses nao perdem tanto assim o valor nao. Em SP sim, mas pq eh um mercado muito conservador (vide o numero de Vovorollas que se vendem por la).
      e eu sempre digo “nao sou lojista pra pensar em revenda e tbem meu sorriso nao tem preço“
      eu iria ficar bem puto saindo de casa com um Gorf, sendo que com a mesma grana compro um carro 10 anos a frente tecnologicamente.
      abraço

    • Renato

      21 de setembro de 2012 at 21:59

      Tive Golf e viajava todo fds 600 km com ele. Depois troquei em um Peugeot 307 e percorria o mesmo caminha (ida e volta Bauru – Campinas). Sabe qual a diferença entre eles? Quando chegava de viagem com o Golf tinha que tomar Dorflex por causa das minhas costas! Com o 307 isso acabou! Acho que isso vale mais que qualquer preço de revenda.

      • Daniel Ramos

        21 de setembro de 2012 at 22:56

        Sim, peugeot é muito macio e confortavel(GM também é, pelo menos o astra), é uma pena que esses carros que são bem melhores que os nossos "populares" nacionais percam tanto valor na revenda quando deveria ser ao contrario…

  16. Milton_GT

    27 de agosto de 2012 at 0:01

    O fato de dispensar o tanquinho é muito interessante, pois o tanquinho é um item extremamente perigoso em uma colisão, pois como já aconteceu em algumas ocasiões incendeia o carro, podendo matar os ocupantes. ?Quanto a partida ser rápida, não me interessa pois sou anti-Etanol, só ando com gasolina. Enfim acho que esse carro não deveria ser vendido com motor 1.6, pois com o nosso combustível, o motor é muito fraco para ele.

  17. caique

    27 de agosto de 2012 at 2:47

    27 mil dollar nos eua vc compra um ford fusion hibrido com 200 cavalos + q completão e ainda sobra uns 3 mil doletas

    • V8_sempre

      27 de agosto de 2012 at 16:05

      Sério ? Credo ! Nossa ! Oh louco !!! ;-)

    • SP2

      27 de agosto de 2012 at 20:22

      Pô cara! E só agora vc vem nos falar…

  18. Márcio

    27 de agosto de 2012 at 9:09

    Tenho um e as revisões são tabeladas e bem baratas em comparação com outras marcas, além do mais carro não é investimento, em qualquer marca vc irá perder e o 308 vem vendendo bem e com lista de espera grande, o que diminui as perdas.

    Quem não quer perder dinheiro vai de gol, o carro de brasileiros. rs

    • dougkmt

      28 de agosto de 2012 at 8:04

      Márcio.

      Sobre as revisões, eu queria perguntar se os valores constantes na tabela de revisão + mão-de-obra tem sido respeitados pela concessionária, mas vi abaixo que vc terá as 3 primeiras gratuitas, certo?!

      Achei os valores muito abaixo do mercado, o que gera desconfiança de que terá um valor mão-de-obra a a mais lá na frente…

      • Márcio

        28 de agosto de 2012 at 10:05

        Dougkmt, te falo até como Advogado, as revisões estão inclusas os itens quanto a revisão e mão de obra, lógico que tentam te empurrar mil coisas, mas vc não é obrigado a nada, é só pagar a revisão e ponto final.

        Tentam fazer limpeza de bicos, troca de filtro do ar condicionado etc, nunca faço na concessionária essas coisas.

        • dougkmt

          29 de agosto de 2012 at 3:34

          Pois é! Nada muito diferente na Ford, haha!

          Valeu pelas respostas.

  19. edu100022

    27 de agosto de 2012 at 9:31

    Esse negocio de desvalorização não é exclusividade de marcas novas. minha prima em 2008 comprou um Fox 1.6 Trend completo e pagou 41900,00 em 2010 ela foi trocar o carro dela e ela pegou 22000,00. Em 2 anos ela perdeu 19000,00 Eu em 2008 comprei um 206 Allure por 40000,00 neste ano eu o troquei e consegui pegar 19000,00 em 4 anos e meio eu perdi 21000,00 . Então esse negocio de marcas novas desvalorizar demais hoje não existe mais. Outro exemplo minha cunhada comprou um Ka Class 1.0 completo modelo 2011 por 29000,00 agora ela vai vender ele sabe quanto estão pagando pelo carro dela? 16000,00 !!!! E é um ford hein.

    • aprs

      27 de agosto de 2012 at 12:45

      Carro usado está da hora da morte, qualquer marca. Corram pra pegar o IPI reduzido, hehehe.

    • Louis

      27 de agosto de 2012 at 13:31

      tudo bem que vc citou os casos para comparação, mas … Por que trocar de carro tão cedo ? 2 anos o carro ainda tá novo! Sinal de que está sobrando dinheiro, e perde grana porque quer!

    • D7V5

      27 de agosto de 2012 at 17:34

      De fato a desvalorização esta pegando forte. Cada vez mais. Porém é sempre mais fácil você vender no preço um carro de fabricante mais tradicional, do que de franceses ou chineses.

    • Cristiano_RJ

      27 de agosto de 2012 at 19:12

      Pois é edu, isso sem falar que as pessoas simplificam demais essa questão de desvalorização. se esquecem, por exemplo, que o desempenho em vendas no mercado de carro zero km é extremamente importante para saber se determinado modelo desvalorizará mais ou menos. Outro fator é se a marca reposiciona para baixo o modelo zero… ou quando há um face lift, mudança de geração ou pior, quando seu modelo (ou versão) sai de linha. As pessoas se apegam a exemplos onde outros fatores foram preponderantes e vão logo taxando: tá vendo aí? Essa marca deslavoriza muito. É ser muito simplista!

  20. guilherme_poa

    27 de agosto de 2012 at 10:12

    Em maio, quase comprei um 308. Gosto muito do carro, porém não o comprei porque eles tavam colocando R$ 2.500,00 de ágio nas revendas de porto alegre. Acabei por comprar um focus. O 308 é novidade para nós brasileiros, mas em outros lugares, não. Creio que ele tenha sido lançado no mesmo ano que o focus II na europa, em 2007. Eu conheci o 308 em 2009 no uruguai (como importado da frança).

    • Márcio

      27 de agosto de 2012 at 12:25

      Sim, assim como o Focus que vc comprou já não existe (0km) mais na Europa deve ter uns 6 anos, o Cruze existe desde 2008, isso não é exclusividade da Peugeot e sim todas as marcas, mas o 308 está alinhado com o da Europa e com a última mudança que teve.

      • guilherme_poa

        27 de agosto de 2012 at 16:54

        Marcio,

        Entendo que não vale pagar ágio para um carro que não é nenhum evolução, está chegando com atraso de mais de 5 anos no brasil. Quanto ao focus, foi substituído na europa em 2010. Peguei um focus 2.0 por menos que pegaria um peugeto 1.6.

        • Márcio

          27 de agosto de 2012 at 18:28

          Gulherme, eu não paguei ágio e ainda paguei valor abaixo da tabela e olha que foi no lançamento dele em março ou abril e ainda ganhei o teto cielo, concordo que ágio não se deva pagar, eu não pagaria, mas discordo quando vc diz que o modelo demorou a vir, quando todos os modelos demoram a vir e alguns nem aparecem, vide o Golf e o próprio Focus.

          Só para vc ter uma idéia, peguei o Allure, 2.0, com tiunta metálica, com teto e as 3 primeiras revisões grátis por R$ 58.000,00, era só uma questão de pesquisar, quando consegui o preço todas as outras mandaram eu fechar na hora achando q eu estava mentindo por ser lançamento e tal, mas fui lá e consegui.

          • dougkmt

            28 de agosto de 2012 at 8:01

            Pegou na pré-venda, hein, rs!

            Sobre o ágio, também não concordo em pagar a mais sobre um preço que já é muito caro! Fechei um Allure 1.6, recentemente, por 52.500 incluindo acabamento em couro, alarme, tapetes e film. O valor oferecido pelo site é de 52.990 sem os acessórios. Esses valores tem lucro e nada justifica um ágio de 2.500 sobre o valor do site – apenas a cara de pau!

    • aprs

      27 de agosto de 2012 at 12:46

      Esse 308 não é muita novidade para os vizinhos, essa traseira já existe há um tempo por lá.

  21. leasilsan

    27 de agosto de 2012 at 11:59

    40mil na frança.

  22. AmmmmmP

    27 de agosto de 2012 at 15:17

    E lindão…. menos a traseira. Ficou muito larga, sem força.

  23. D7V5

    27 de agosto de 2012 at 17:29

    Pode ir incluindo a Toyota e a Hyundai. E mais tarde a Honda.

    • Daniel Ramos

      27 de agosto de 2012 at 17:42

      Sim, tinha me esquecido, rsrs!

  24. D7V5

    27 de agosto de 2012 at 17:35

    Bom carro, não vende bem no Brasil. Tem boas vendas na Argentina.

    • Cristiano_RJ

      27 de agosto de 2012 at 19:14

      De um modo geral, os modelos da Peugeot são fortes em vendas lá na Argentina.

    • SP2

      27 de agosto de 2012 at 20:21

      Sem contar que a Peugeot fabrica excelentes motores; DIESEL. Gostaria muito de saber se no mix de vendas dos 308 na Argentina prevalece a versão a gasolina ou diesel.

  25. power

    27 de agosto de 2012 at 18:14

    carro show, mais bonito q todos… o bravo seria outra opção, design é peugeot… e pela pesquisa que venho fazendo todos usados estam perdendo muito o valor… o certo é comprar um semi- novo, já desvalorizado…

  26. Armando Scarponi

    28 de agosto de 2012 at 14:34

    esse carro é bonito mesmo. concordo que 50mil em um hatch médio é muito dinheiro, mas… qual opção de médio custa menos?! frances eu compro,mas chines ainda nao. por 53mil essa versão é MUITO interessante.
    o que me deixa com o pé mais atrás é o seguro que deve sair tão caro quanto o do 307. seguro de um carro desse nao deve sair por menos de 3mil (uns 4mil nas versões mais caras) reais (meu punto é R$1,2k). minha namorada meche com seguro, estou esperando ela fazer um 308 desse pra ver como fica…

    • Márcio

      29 de agosto de 2012 at 11:12

      tenho a pontuação máxima no seguro, mas tenho 33 anos, moro no Rio (capital) e meu seguro foi pouco mais que R$ 1.200,00 no 308

      • paulo

        30 de agosto de 2012 at 16:27

        Pontuação máxima tbem e tenho 30 anos. Paguei R$ 1.900,00 no 308..

    • John

      4 de setembro de 2012 at 15:34

      Moro no Rio, 23 anos. Seguro pela Azul do 308 Allure 1.6 saiu por R$1800.

  27. epaes

    28 de agosto de 2012 at 23:57

    Tenho um 2.0 e me sinto completamente satisfeito!

    • Dionísio Dias

      18 de setembro de 2012 at 19:45

      Comprei um 308 Active 1.6 neste mês de setembro/2012 e o seguro ficou em R$ 1.350,00 no BB, onde tenho conta corrente.

      • epaes

        18 de setembro de 2012 at 22:16

        Legal, o meu 2.0 ficou R$2 mil, já com desconto por renovação!

  28. Rodrigo

    29 de agosto de 2012 at 0:31

    Tenho um 3008 e posso confessar que se colocarem o 1.6 THP no 308 ele vira um foguete. O torque disponível em baixa rotação faz vc grudar no banco!

  29. Alexandre

    28 de setembro de 2012 at 0:21

    Pessoal… Eu tenho um alure 1.6. Econômico e potente. Eu faço na cidade 13,5 km/L na gasolina e com ar ligado sempre. Muito confortavel de dirigir e pouco se escuta ruidos externos. A unica coisa que vou mudar é a roda. De 16" vou colocar 18", pois nem a roda 17" que vem em outras versoes preenche o espaço que fica.

  30. beatriz

    15 de fevereiro de 2013 at 1:02

    tenho um 308 e acho liiindo!!!! só que o ar condicionado nao funciona em dias quentes..já foi 2 vezes p revenda (oficina) aqui em porto alegre e nao resolveram nada!! alegaram que é defeito do fabricante e quem perde é o consumidor…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>